Lula pede parque industrial militar como estratégia de defesa

O presidente Luiz Inácio Lula da Silvaprometeu nesta quinta-feira reequipar as Forças Armadas ereconstruir a indústria bélica nacional ao anunciar o decretode criação do Grupo de Formulação da Estratégia Nacional deDefesa. Lula afirmou que, para formular um plano de longo prazopara a defesa brasileira, é preciso "não apenas recuperar opoder das nossas Forças Armadas, mas também recuperar parte doconhecimento tecnológico que já tivemos". "Estou certo de que a reativação do nosso parque industrialmilitar e o incentivo aos nossos centros de pesquisa dosetor...serão parte central dessa estratégia de defesa", disseLula, em discurso. O governo quer aumentar o orçamento da defesa de 2008 para9 bilhões de reais, em relação aos 6 bilhões de reais desteano, afirmou um porta-voz do Ministério da Defesa. "É o maior aumento em uma década", acrescentou ele. Lula prometeu fomentar a hoje fragilizada indústria bélicabrasileira, o que atenderia à demanda doméstica, além depermitir a exportação de equipamentos. "Eu acho que agora está na hora de construir o PAC dasnossas Forças Armadas e o PAC da nossa Defesa... está na horade a gente colocar a nossa inteligência, militar e civil, parapensar o que nós queremos ser enquanto nação soberana nospróximos 10 ou 15 anos", afirmou. Lula já garantiu à Marinha 130 milhões de reais anuais nospróximos 8 anos para continuar desenvolvendo o projeto dosubmarino movido a reator nuclear. A produção de defesa do Brasil inclui mísseis, aviões,blindados e armas. O presidente defendeu o papel dos militares nodesenvolvimento de tecnologias e na garantia da soberania dasáreas remotas da região amazônica. O plano de defesa, que deve ser concluído dentro de umano, permitirá ao Brasil "finalmente acreditar que pode setornar uma potência mundial no século 21", disse Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.