Lula pede para FHC governar para os pobres

O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, disse hoje, no Recife, que retribuía o apelo do presidente Fernando Henrique à consciência cívica das oposições, pedindo que ele "deixe de fazer firula" e que "pelo amor de Deus governe o País pensando no povo pobre".Lula disse não se lembrar de uma vez sequer em que o presidente tenha procurado a oposição para conversar nos últimos anos e pediu que Fernando Henrique pare de jogar a culpa em quem não a tem.Ele afirmou que o PT não esperou o apelo e foi à televisão, no horário político, pedir à população que economizasse energia elétrica. "O presidente tem que saber que o povo sabe quando o presidente fala com boas intenções ou não", afirmou, indagando: "Ou querem colocar a culpa na oposição pela crise energética, pela alta do dólar, pelos altos juros?".O temor expresso por Fernando Henrique em relação a um suposto crescimento do populismo foi ironizado por Lula, que disse não concordar com a avaliação. "O que ele fez em 1994 senão populismo? Ou ele acha que veio a mando da divindade?", observou o líder petista. "Desde quando um intelectual subiria em um jegue para comer buchada em Alagoas?". Para ele, esse é "o populismo mais barato e desavergonhado". Lula questionou ainda se Fernando Henrique reconhece como eleitores populistas a grande maioria que hoje o rejeita. O presidenciável petista acrescentou que Fernando Henrique deve lembrar que ainda tem um ano e meio de mandato, e que ele deve governar o Brasil. "Ele age como se o governo tivesse acabado e o Brasil não pode ficar todo esse tempo convivendo com um fim de festa".Lula reiterou a disposição do PT de dialogar com todas as forças de oposição e a abertura do partido a alianças. "Acho que o povo brasileiro não pode ficar à mercê de vaidades pessoais quando as pesquisas indicam que a oposição junta poderia ter mais de 65% dos votos", disse, afirmando não ter sido o PT que se afastou do governador Itamar Franco (PMDB), do PPS ou do PDT.Lula também disse ser contrário à extinção da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), considerando um equívoco o fato de terem extinto o órgão ao mesmo tempo em que não puniram os responsáveis pelas irregularidades ocorridas.Lula esteve hoje no Recife para uma visita de dois dias, acompanhado do deputado federal José Dirceu que ressaltou que a CPI da Corrupção ganhou mais uma chance, com a chegada de um novo senador do PT, Eduardo Valverde, em substituição a Ernandes Amorim (PTB-RO), que foi cassado. "Valverde pode ser a assinatura que falta no Senado para a abertura da CPI", observou ele, informando que a CPI tem a assinatura de 26 senadores. O número mínimo é 27.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.