Lula participa de reinauguração de Teatro Municipal do Rio

Local passou por dois anos de reforma e teve investimento de R$ 75 milhões pagos por empresas públicas e privadas

Luciana Nunes Leal / RIO - O Estado de S.Paulo

27 Maio 2010 | 22h40

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou nesta quinta-feira, 27, da reinauguração do Teatro Municipal do Rio, depois de dois anos de reforma, que teve investimento de R$ 75 milhões pagos por empresas públicas e privadas. No discurso, ele voltou a criticar a "irresponsabilidade" de governos passado, desta vez por terem deixado um patrimônio da cidade chegar a um estado de tanta deterioração como estava o Municipal, antes do início das obras.

 

"Este investimento é na restauração da irresponsabilidade administrativa que este Estado sofreu", discursou o presidente, muito aplaudido para uma plateia exclusiva de convidados.

 

Ao agradecer aos financiadores da obra, Lula disse que eles "tiveram coragem e ousadia de colocar a mão no bolso para recuperar uma casa que jamais deveria ser tratada com a irresponsabilidade que vimos no filme mostrado aqui". O presidente se referia a um vídeo que mostrou o estado de deterioração da casa, construída há cem anos, antes da restauração.

 

"É inaceitável que governantes permitam que seja destruído o que já estava feito", insistiu Lula. Em seguida, o presidente fez um elogio à beleza do Rio de Janeiro. "Todo brasileiro até de Pernambuco gostaria de acordar com o barulho das águas de Copacabana ou de Ipanema".

 

O presidente, governador Sergio Cabral e o prefeito Eduardo Paes, bem-humorados, foram até a frente do palco e curvaram-se em agradecimento como se fossem artistas ao final do espetáculo.

 

Também estiveram na festa de reinauguração do municipal, o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP) e os ministros da Saúde, José Gomes Temporão, das Cidades, Márcio Fortes, dos Esportes, Orlando Silva, da Cultura, Juca Ferreira, da Comunicação Social, Franklyn Martins, e da Secretaria Especial de Política para as Mulheres, Nilcéia Freire, além de muitos parlamentares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.