Lula participa de evento no Rio sem comentar críticas de FHC

Presidente esteve na cerimônia de encerramento do curso de aspirantes a oficiais da Aman, mas não discursou

Nilson Brandão Jr, do Estadão,

24 de novembro de 2007 | 13h28

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou neste sábado, 24, em Resende, a 146 quilômetros do Rio, da cerimônia de encerramento do curso de aspirantes a oficiais da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman). Ao lado das principais autoridades militares do País e de ministros de Estado, Lula não discursou durante o evento. Um mestre de cerimônias leu uma mensagem formal do presidente endereçada aos aspirantes. A visita de Lula à Aman foi a primeira aparição pública do presidente depois das críticas feitas na sexta-feira, durante o congresso nacional do PSDB, pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso à formação educacional de dirigentes do País. Sem citar o nome de Lula, Fernando Henrique defendeu que os brasileiros sejam bem-educados e "não liderados por gente que despreza a educação, a começar pela própria". Embora não fosse um evento político, havia a expectativa de que o presidente pudesse rebater os comentários de Fernando Henrique, o que não aconteceu. A participação de Lula foi formal. Na mensagem lida, o presidente elogiou o esforço dos aspirantes. "Este é um momento de vitória muito importante para cada um de vocês, que deixaram suas cidades e suas família para abraçar a carreira militar", afirmou. Na cerimônia, 436 aspirantes que concluíram o curso da academia foram alçados à condição de aspirantes a oficiais do Exército. "Durante os anos em que vocês estiveram aqui em Resende, puderam absorver os conhecimentos necessários para a vida profissional como oficiais em uma das mais antigas e tradicionais instituições de nosso país: o Exército Brasileiro. Tão importante como esses conhecimentos, a Academia Militar lhes proporcionou lições que não estão presentes nos livros, mas sim na convivência diária com seus colegas e professores", prossegue a mensagem. O presidente entregou a espada de oficial ao primeiro aluno da turma, Vinícius Paiva Cooper de Almeida, que obteve o melhor desempenho no curso. Lula chegou à academia por volta das 10h, vindo de Brasília. O presidente recebeu honras militares e foi conduzido, após o desembarque do helicóptero, num carro com escolta de cavalaria. Houve salva de artilharia com tiros de canhão e Lula, comandante em chefe das Forças Armadas, passou em revista às tropas.  Às 11h, foi iniciada a cerimônia de formatura, que também teve a presença do ministro da Defesa, Nelson Jobim, e do comandante do Exército, general Enzo Martins Peri. Os comandantes da Marinha, almirante Julio Soares de Moura Neto, e da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, participaram como convidados. O ministro extraordinário de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, também acompanhou a cerimônia. É a primeira vez que o presidente Lula comparece à formatura dos aspirantes da Aman. No ano passado, ele esteve na academia para a abertura do curso, na cerimônia de entrega de espadins. A Aman fica às margens da Rodovia Presidente Dutra, na região Sul Fluminense, aos pés do Pico das Agulhas Negras, que lhe empresta o nome. A unidade é a única de formação de oficiais para o Exército no Brasil e é considerada a maior academia militar da América Latina. Posse na Argentina Lula já confirmou presença na posse da presidente eleita Cristina Fernández de Kirchner no próximo dia 10 de dezembro. Segundo fontes oficiais, outros presidentes da região também aceitaram o convite da Casa Rosada: Evo Morales (Bolívia), Michelle Bachelet (Chile), Hugo Chávez (Venezuela), Nicanor Duarte (Paraguai), Rafael Correa (Equador) e até Tabaré Vázquez (Uruguai), com quem a Argentina anda com as relações tensas em função da fábrica de celulose Botnia. Entre as autoridades de outras regiões, até o momento, a chancelaria argentina confirmou somente o primeiro-ministro da França, Francois Fillon.  (com Marina Guimarães, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
LulaFHC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.