Lula optou por dose excessiva da política monetária, diz PSDB

O governo Lula "optou por uma dosagem excessiva na aplicação de instrumentos restritivos da política monetária, numa demonstração de falta de projeto", segundo afirma nota distribuída pelo PSDB ao final da reunião nacional do partido, realizada hoje no Rio. A nota acrescenta que "esta opção por uma política monetária e fiscal equivocada, além de frustrar a promessa de retomada do desenvolvimento, jogou o País na trilha da recessão. Os efeitos aparecem de forma dramática na queda dos indicadores de renda, produção e emprego". O PSDB critica também as iniciativas sociais do governo, afirmando na nota que "na área social, a orientação é desfazer o que existia, apenas porque foi feito por adversários políticos". O partido, segundo a nota, refere-se às "invasões no campo e nas cidades" no governo Lula como "um processo perigoso, de conseqüências imprevisíveis". Segundo a nota, formulada em encontro nacional do partido realizada hoje no Rio, "no campo e nas cidades, recrudescem as invasões de propriedades e os atos de violência comandados por movimentos que ultrapassam os limites da legalidade, desafiando as instituições, enfraquecendo a autoridade e levando intranqüilidade a todo o País".O texto acrescenta que "o atual clima de radicalização no meio rural também tem a ver com o descumprimento da Medida Provisória 2.183, que desestimula invasões de terra. A desordem não pode afrontar o Estado de Direito". A nota garante uma "oposição responsável" do partido ao atual governo. "O PSDB atuará no Congresso de forma democrática e construtiva, mostrando sua coerência e seus princípios. Fará oposição responsável, assumindo posições em função dos reais interesses do país, sem se deixar levar por bravatas eleitoreiras. Não abdicará de seu dever e seu direito de exercer a crítica e a cobrança do desempenho do governo", afirma o texto. A nota termina denunciando "um presente (referindo-se ao momento atual) de omissões e incompetências".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.