Lula oferece ajuda militar ao Timor

Ele diz ao presidente do país que governo brasileiro quer auxiliar a resolver problemas de segurança e defesa

Tania Monteiro, O Estadao de S.Paulo

31 de janeiro de 2008 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem, em almoço no Itamaraty oferecido ao presidente do Timor Leste, José Ramos-Horta, que o governo brasileiro quer ajudar o país a resolver problemas de segurança e defesa, oferecendo até mesmo apoio no treinamento militar. Em discurso, Lula ressaltou que o Brasil pode ajudar o Timor Leste no estabelecimento de estrutura de Justiça Militar e na ampliação de um programa bilateral de cooperação militar."Sei que a grande prioridade do governo do Timor Leste é a consolidação da segurança. É por isso que esperamos aprofundar o programa bilateral de cooperação militar, para o treinamento das forças timorenses de segurança. Vamos cooperar para o estabelecimento de estrutura da Justiça Militar em Timor Leste", afirmou Lula. Ele anunciou que pretende visitar o país em junho, estendendo a viagem à Indonésia e ao Vietnã.Em seu discurso, o presidente do Timor Leste ressaltou que seu objetivo é romper o "ciclo de vingança" - numa referência ao período em que o país foi dependente da Indonésia. "Não queremos alimentar novos ciclos de violência", disse. Ramos-Horta lembrou ainda o governo do ditador Suharto, na Indonésia, acusado de reprimir e dizimar líderes timorenses. Suharto morreu no domingo, aos 86 anos. "O povo timorense sabe perdoar quem muito o feriu. Hoje buscamos o desenvolvimento econômico e a redução da pobreza."Durante o almoço, Lula lembrou ainda do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, morto no Iraque, que teve participação nas negociações para o processo de independência do Timor. Ele avaliou que o país está em pleno processo de consolidação democrática. No ano passado, o Timor Leste realizou as primeiras eleições parlamentares e presidenciais desde que se tornou independente. O presidente também ressaltou que o governo brasileiro pretende renovar até 2010 o programa de cooperação educacional no Timor. Atualmente, 50 professores brasileiros auxiliam docentes do país no ensino da língua portuguesa.Ao fim do encontro, em entrevista, Ramos-Horta afirmou que o Timor Leste quer iniciar uma cooperação trilateral com o Brasil e a Indonésia, países com as duas maiores florestas do mundo. Ele contou que, em setembro, em Nova York, já havia conversado com os presidentes do Brasil e da Indonésia, para fazer um programa de reflorestamento em seu país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.