Lula oferece abrigo a iraniana condenada à morte

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ofereceu hoje, durante comício em prol da candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República, em Curitiba, abrigo político para a iraniana Mohammedi Ashitiani, de 43 anos, condenada à morte por apedrejamento em razão de suposto adultério. "Eu tenho que respeitar a lei de um país, mas se vale minha amizade e o carinho que tenho pelo presidente do Irã (Mahmoud Ahmadinejad) e pelo povo iraniano, se esta mulher está causando incômodo, nós a receberíamos no Brasil", afirmou.

EVANDRO FADEL, Agência Estado

31 Julho 2010 | 15h23

O presidente tocou no assunto quase ao final do discurso, após criticar os Estados Unidos por repudiar sua tentativa de negociar a paz no Oriente Médio. "Parece que tem mais gente trabalhando contra a paz do que trabalhando pela paz", destacou. "Já que minha candidata é uma mulher, eu queria fazer um apelo a meu amigo Ahmadinejad, ao líder supremo do Irã e ao governo do Irã." Logo depois, explicou a centenas de pessoas que se postaram na Boca Maldita, no centro de Curitiba, para ouvi-lo, que no Irã o adultério é punido com a morte por apedrejamento.

Ele reconheceu que estava em situação difícil porque se tratava de falar da soberania de um país. Quarta-feira passada, Lula havia dito que não tomaria nenhuma atitude em relação à decisão do Irã, justificando que as leis de cada país precisam ser respeitada sob risco de virar "avacalhação". "Acho que é coisa muito grave o que está acontecendo", disse. "Nada justifica o Estado tirar a vida de alguém, só Deus dá a vida e só Ele é que deveria tirar a vida." Lula disse que já tinha feito outros apelos a favor de brasileiros condenados à morte, em favor de uma francesa também no Irã e em favor de americanos. "Mas os americanos também tem que liberar companheiros do Irã", ponderou. Em entrevista, mais tarde, Dilma elogiou o presidente por sua "sensibilidade".

Mas Lula não deixou de atacar opositores e, principalmente, o Congresso Nacional ao pedir voto para candidatos dos partidos que o apoiam. "É preciso que tenha mais rigidez na escolha de candidatos a deputado e deputada para que o presidente da República não tenha a vida dificultada nos grandes projetos que o Brasil precisa", apelou. Ele acentuou que, como cidadão e integrante do PT, vai lutar pela reforma política, a fim de evitar as infidelidades partidárias. "Não dá para continuar do jeito que está, é preciso critério", ressaltou.

As críticas maiores foram contra os senadores. "Peço a Deus que esta companheira (Dilma) não tenha o Senado que eu tive, que seja mais respeitador, que não ofenda o governo", disse. Ele reclamou, principalmente, do fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que teria tirado R$ 40 bilhões da saúde. "Eles, quando estavam no governo, usaram durante oito anos o dinheiro e, quando eu cheguei, eles derrubaram", criticou.

Lula disse que muitos perguntam o que ele fará quando sair do governo. "Eu quero ensinar um ex-presidente da República a ser um ex-presidente e não dar palpite a quem está governando", afirmou. "Tenho consciência de que esta companheira tem que montar o governo com a cara dela e não com a cara do Lula e, por ser mulher, sei que tem que colocar mais mulher no governo."

Em seu discurso, Dilma também atacou os adversários, começando pelo vice na chapa de José Serra (PSDB), deputado federal Índio da Costa (DEM-RJ). "Eu tenho um vice capaz e competente, que é o Michel Temer (deputado federal pelo PMDB-SP), não um vice inexperiente e incapaz", afirmou. A candidata destacou que há diferença entre falar e fazer. "Eles, quando puderam mais, fizeram menos", criticou. Para ela, os maiores cortes aconteceram na área de educação. "E trataram professores a cassetete", ressaltou.

Dilma afirmou que todos ficarão tristes quando o presidente deixar o cargo. "Mas vai estar passando às minhas mãos a herança dele, o que ele mais ama, que é o povo", afirmou. "Uma mulher pode cuidar do povo dele, pode apoiar o povo dele." A coordenação da campanha no Paraná espera que a candidata venha mais vezes, com o objetivo de diminuir a diferença de intenção de voto em relação ao adversário José Serra (PSDB), que é uma das maiores entre todos os Estados.

Mais conteúdo sobre:
Eleição Lula Dilma Rousseff PR

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.