Lula negocia com Suécia corte de imposto sobre etanol

O presidente Luiz Inácio Lula daSilva disse nesta terça-feira estar convencido de que osnegociadores da rodada de Doha podem chegar a um acordo delivre comércio, mesmo que não seja o ideal, e afirmou que oBrasil e a Suécia querem estimular a União Européia a abolirtaxas de importação do etanol. A Suécia anunciou uma proposta de abolir uma sobretaxa deimportação do etanol brasileiro até 2009. A eliminação da taxa,equivalente a entre O,75 e 1,50 dólar por litro adotada em2006, depende de aprovação da Comissão Européia, disse umrepresentante do governo sueco. Na primeira visita de um chefe de Estado brasileiro àSuécia, Lula afirmou também que o governo está trabalhando parater certeza de que não haverá superaquecimento da economia dopaís. Em coletiva de imprensa na capital sueca, escala da visitapelos países nórdicos, Lula disse que o governo quer assegurarque a economia brasileira continue a crescer "tranquilamente" ea se desenvolver bem, como tem acontecido. "Nós estaremos trabalhando para que não hajasuperaquecimento da economia. Nós não queremos isso, mas tambémnão queremos esfriá-la", disse Lula, reafirmando a necessidadede cuidados com as pressões inflacionárias. A economia brasileira está aquecida pelo crescimento doemprego e melhores salários, que têm levado a um aumento doconsumo. Semana passada, Lula advertiu que o esforço pelocrescimento não significa que o Brasil possa "baixar a guarda"contra a inflação. O crescimento do Brasil tem sido mais fraco que o dosoutros BRICs --Rússia, Índia e China. Os dados mais recentes apontam crescimento anualizado de11,9 por cento na China e de 9,3 por cento na Índia. Já aRússia cresceu 7,8 por cento no segundo trimestre frente aigual período do ano passado. O Brasil divulga o PIB do segundo trimestre naquarta-feira. Analistas ouvidos pela Reuters estimam expansãotrimestral de 5,8 por cento em relação a 2006. (Colaboraram Anna Ringstrom e Johan Sennero)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.