Lula nega aumento de impostos, mas quer arrecadação maior

Presidente quer aumentar a eficiência da arrecadação combatendo a sonegação de impostos no País

21 de janeiro de 2008 | 07h43

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira, 21, em seu programa de rádio Café com o Presidente, que não pretende aumentar impostos e sim a eficiência da arrecadação. "Quando todos pagarem, aí todos podem pagar menos", disse Lula.   O presidente creditou o aumento da arrecadação em 2007 - que superou R$ 600 bilhões - ao crescimento econômico, ao combate à sonegação e à criação da Super Receita, que é a unificação da Receita Federal e da Receita da Previdência.   Segundo Lula, a arrecadação de impostos e o crescimento da economia estão diretamente ligados aos investimentos feitos pelo governo no País. "Nós vamos terminar em 2010 com 13 universidades federais novas construídas no Brasil. Nós que, em 93 anos, fizemos apenas 140 escolas técnicas profissionais, vamos fazer mais 214 escolas técnicas até dezembro de 2010", afirmou.   Outro ponto destacado pelo presidente foi a criação de novos empregos com carteira assinada, que em 2007 chegou a 1,617 milhão, crescimento de 31,6% em relação a 2006. Lula destacou a importância da construção civil, que cresceu 13% no último ano. O presidente disse estar "convencido de que ele será um setor extremamente importante para poder ajudar a economia brasileira crescer" nos próximos 15 ou 20 anos.

Mais conteúdo sobre:
Lulaimpostos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.