Lula não pretende mudar regras da Previdência

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não deve mudar as regras de aposentadoria do funcionalismo e do setor privado. De acordo com o Estado, o Palácio do Planalto estuda um plano que prevê apenas um "esforço concentrado de gestão" na Previdência, com medidas para combater a fraude e economizar cerca de R$ 50 bilhões em quatro anos. O governo acredita que não será possível aprovar três reformas constitucionais ao mesmo tempo no Congresso - a política, a tributária e a previdenciária.Para 2007, as prioridades de Lula são as mudanças no sistema eleitoral e partidário e na área de tributos. O presidente busca o apoio dos governadores para atingir esse objetivo, mas pretende também conversar com eles sobre as dificuldades enfrentadas pela União e pelos Estados para pagar as aposentadorias. A necessidade da reforma na Previdência é um tema polêmico, que divide os governadores. No sábado, ao abrir a reunião do Diretório Nacional do PT, o presidente afirmou que a situação é ?delicada?. ?Nós sabemos que o rombo não pode continuar do jeito que está?, comentou.Recentemente, Lula recebeu, por meio do empresário Jorge Gerdau, o plano elaborado pelo consultor Vicente Falconi, com métodos drásticos de gestão para permitir equilíbrio nas contas da Previdência. O ministro da Fazenda, Guido Mantega comentou as medidas com ironia, no último dia 20: "Se elas são eficazes, será a descoberta da América". Para o ministro, o objetivo do novo modelo de gestão das contas da Previdência é o de dar sustentabilidade às despesas, ?para garantir que o aposentado possa receber sua aposentadoria no futuro?. Nos próximos dias, Lula deve ouvir 90 entidades empresariais e de trabalhadores, que devem propor outro modelo de Previdência. Entre outras coisas, as entidades devem sugerir a unificação de regras para funcionários públicos e privados e a desvinculação entre as aposentadorias e o salário mínimo. De qualquer forma, a reforma seria válida apenas para quem ingressasse no mercado de trabalho após sua promulgação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.