Lula não poderá governar o Brasil à distância, diz Serra

Em queda nas pesquisas de intenção de voto, o candidato do PSDB, José Serra, expôs hoje uma das principais preocupações da campanha tucana: o poder de transferência de prestígio - e de votos - do presidente Luiz Inácio da Lula para Dilma Rousseff (PT).

CAROLINA FREITAS, Agência Estado

26 de agosto de 2010 | 18h42

Em palestra a 150 diretores e presidentes de empresas do setor de máquinas e equipamentos, em São Paulo, Serra alertou: "Ninguém governa um município, um Estado ou um país à distância". "Por mais que se queira pensar o contrário, não se terceiriza o comando, a gente vai ter que ter isso muito presente daqui em diante".

O tucano usou uma analogia futebolística para tornar mais didático o aviso. Comparou o presidente a um técnico bem-sucedido que, ao ser chamado para treinar outro time, promete continuar a orientar a antiga equipe à distância.

"Isso é do mesmo realismo que imaginar que o Brasil possa ser governado pelo Lula fora do governo". E aproveitou para fazer um apelo: "Levo bronca de muita gente porque vou fazer palestra e não peço voto, então aqui vou pedir também voto". Seguiram-se risos e aplausos.

Confortável diante de uma plateia simpática a ele, Serra falou por 45 minutos. O discurso foi pontuado por críticas à condução econômica do governo federal nas áreas de macroeconomia, infraestrutura, indústria e comércio exterior. "Falta uma política nacional de desenvolvimento", afirmou. "Produzir no Brasil é arriscado, agora produzir bens de capital no Brasil já é temerário". "As oscilações são mortais", segundo o tucano.

Futuro

O candidato lançou dúvida sobre o futuro econômico do País: "No curto prazo, as coisas vão bem, o problema é que a gente tem sempre que olhar o dia de amanhã, para que o emprego de hoje não seja perdido amanhã". Ele citou a adversária Dilma Rousseff duas vezes.

Disse que a petista considerava "boa" a carga tributária brasileira e que, em um debate, taxou como desatualizado um dado citado por ele. "Em 2009 e 2010 podemos ter ultrapassado a República Dominicana, mas continuamos na lanterninha em investimento governamental".

Serra voltou a atacar a política de defesa comercial do governo Lula. "Não temos uma alfândega bem organizada". O tucano defendeu uma desoneração de impostos "firme e inteligente", feita setor a setor.

Diante do pedido dos empresários, Serra prometeu "manter e ampliar" o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), linha de financiamento para a produção, aquisição e exportação de bens de capital e para inovação tecnológica do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O candidato chegou com uma hora de atraso ao evento, promovido pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Assim que pegou o microfone, desculpou-se: "Cheguei às 5 horas da manhã do Rio Grande do Norte e ainda tive que fazer gravação para o programa eleitoral antes de vir aqui". "Minha voz, com muitos voos, fica mais pastosa, mas vai passando ao longo do dia".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.