Lula não deve subir nos palanques em outubro

O ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, não crê que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participe da campanha dos candidatos petistas nas eleições municipais de outubro, conforme declarou no programa Canal Livre, da Rede Bandeirantes. Para ele, com isso o presidente protege "a vida e a convivência democrática do País e tira da sociedade qualquer tipo de insegurança relacionada com interferências do governo nas eleições, que são um fenômeno não do governo, mas da sociedade e das instituições". Aldo Rebelo não se mostrou pessimista com os resultados da pesquisa eleitoral Datafolha divulgada no final de semana, que colocam a prefeita petista Marta Suplicy atrás das eventuais candidaturas de Paulo Maluf (PP) e José Serra (PSDB). Segundo disse, trata-se de um "retrato do momento", que deve mudar até a realização do pleito. Mas não atribuiu o mau resultado de Marta à crise vivida pelo Palácio do Planalto, desde a eclosão do escândalo Waldomiro Diniz.Papel de José DirceuPara Aldo Rebelo, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, vai concentrar-se na coordenação da gestão do governo, como os programas dos ministérios, com o estabelecimento de prazos e mecanismos de funcionamento. Ele citou como exemplo do papel a ser desempenhado por seu colega a eliminação de entraves burocáticos que atrapalham os investimentos."O ministro José Dirceu tem a tarefa de remover essas dificuldades e obstáculos junto com os ministros, para que os programas funcionem, para que os investimentos sejam liberados rapidamente, para que as prefeituras e os Estados possam realizar suas obras, para que os investimentos privados, tanto os estrangeiros quanto os nacionais, passem por cima dessa burocracia." Além disso, Rebelo disse que José Dirceu tem também uma parcela da responsabilidade política do governo. "Eu faço a coordenação política, mas a responsabilidade política é de todos os ministros", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.