DIDA SAMPAIO|Estadão
DIDA SAMPAIO|Estadão

Lula não assume para se blindar da Justiça, diz Cardozo

'A eventual presença dele no governo não se refere a nenhum tipo de blindagem criminal, até porque não existe anistia para ministro', afirmou o titular da AGU

Fábio Fabrini e Beatriz Bulla, O Estado de S. Paulo

15 de março de 2016 | 12h02

Brasília - O ministro-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, disse nesta terça-feira, 15, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, caso assuma cargo de ministro, não o fará para escapar de processo criminal na Justiça Federal no Paraná, conduzido pelo juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato.

"A eventual presença dele no governo não se refere a nenhum tipo de blindagem criminal, até porque não existe anistia para ministro", afirmou. Ele ponderou que, obtendo foro privilegiado, o ex-presidente será investigado e, eventualmente, julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Ninguém foge da Justiça ao ser julgado pelo STF."

Cardozo rechaçou especulações de que, ao nomear Lula, a presidente Dilma perderá autonomia, passando o comando do governo ao padrinho político. "A presidente foi eleita e ela dirige o País. Ele será um ministro com o respeito que temos por um grande líder", comentou.

O ministro disse que o ex-presidente, assumindo um ministerio, "somará forças" para, entre outras coisas, barrar processo de impeachment no Congresso contra Dilma. Ele alegou que o petista não tem, contudo, a missão de evitar o processo é contribuirá  para o "fim da crise". 

Cardozo, criticado pela ala do PT ligada ao ex-presidente por não controlar as investigações da Lava Jato, disse que já tinha comentado com Lula há cerca de quatro meses que seria importante sua presença no governo.

Lula se reúne nesta terça-feira com a presidente Dilma e, possivelmente, assumirá a chefia da  Secretaria Geral de Governo, no lugar de Ricardo Berzoini. Ele  passou a considerar a função após o avanço de investigações a seu respeito. Nas últimas semanas, a Lava Jato fez buscas em seus endereços e o levou a prestar depoimento em condução coercitiva. Além disso, o Ministério Público de São Paulo pediu sua prisão preventiva ao denunciá-lo por lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá.

Cardozo afirmou ainda que não vê a possibilidade de o processo de impeachment da presidente Dilma ser aditado, com a inclusão de novas denúncias, entre elas a delação do senador Delcídio Amaral (PT-MS). "A admissibilidade do processo foi feita a partir do pedido original", justificou.

Ele reiterou que os depoimentos de delação não servem de prova e, se forem usados para a deposição da presidente, também devem embasar pedidos de cassação de outros políticos citados, alguns de oposição. "Então vai se pedir o aditamento da denúncia e a cassação do senador Aécio Neves?", questionou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.