Lula melhora desempenho e pode influenciar eleição municipal

O governo do presidente Luiz InácioLula da Silva obteve este mês a melhor avaliação desde suaprimeira posse em janeiro de 2003, segundo pesquisa CNT/Sensus,que sinaliza possível influência de Lula no resultado daseleições municipais de outubro. A avaliação positiva do governo subiu para 52,7 por centoem fevereiro, contra 46,5 por cento em outubro, data dolevantamento anterior. Em janeiro de 2003, quando Lula assumiu a presidência nolugar de Fernando Henrique Cardoso, seu governo foi avaliadopositivamente por 56 por cento da população. Desde então, aavaliação oscilou e alcançou o menor patamar em novembro de2005, quando 31,1 por cento da população a considerou positiva. Já a avaliação negativa do governo caiu para 13,7 por centoeste mês, frente a 16,5 por cento em outubro. O desempenho pessoal do presidente Lula foi aprovado por66,8 por cento dos entrevistados, melhor resultado desdedezembro de 2003, de 69,9 por cento, e frente a 61,2 por centona sondagem anterior. "O governo está com a popularidade significativamente altadevido ao desempenho da economia e programas sociais", afirmoua jornalistas o diretor do Sensus, Ricardo Guedes, ao anunciaros resultados da sondagem, encomendada pela ConfederaçãoNacional do Transporte (CNT). "O determinante é a economia, opovo está ganhando e comprando." Os dados da sondagem indicaram que o bom momento de Lulapoderá ter impacto no resultado das eleições municipais desteano. Do total de entrevistados, 36,8 por cento disseram quepoderiam votar ou votariam apenas em candidato apoiado pelopresidente. Outros 25,9 por cento afirmaram que não votariam emcandidato apoiado por Lula e 35 por cento disseram que sópoderiam votar no candidato do presidente se o conhecessem. O potencial de transferência de votos de Lula ficou umpouco acima do dos governadores --34,2 por cento dosentrevistados disseram que poderiam votar ou necessariamentevotariam em candidato apoiado pelo governador de seu Estado. ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS A pesquisa ainda avaliou a intenção de voto para a sucessãopresidencial em 2010. Nas listas em que o governador de SãoPaulo, José Serra (PSDB), foi incluído, ele liderou a sondagem. O melhor desempenho de Serra foi em lista que incluía comoconcorrentes o deputado Ciro Gomes (PSB-CE), a ex-senadoraHeloísa Helena (PSOL) e a atual ministra-chefe da Casa Civil,Dilma Rousseff, na qual o tucano liderou com 38,2 por cento dasintenções de voto. Quando o nome de Dilma foi substituído pelos nomes dosministros Patrus Ananias (Desenvolvimento Social) e Tarso Genro(Justiça), a preferência por Serra caiu para 37,5 por cento e37,3 por cento respectivamente. Quando Aécio Neves foi incluído na disputa no lugar deSerra, ele obteve 16,6 por cento das intenções de voto e CiroGomes liderou a preferência, com 25,8 por cento, seguido deHeloísa Helena, com 19,1 por cento. Em sondagem espontânea, na qual não eram apresentadasalternativas de candidatos, Lula liderou com 18,6 por cento dasintenções, seguido de Serra, com 5,1 por cento dos votos. CARTÕES CORPORATIVOS O crescimento da aprovação a Lula e seu governo ocorreu emmeio a percepções negativas em relação aos episódios recentesdos cartões corporativos e do aumento de ocorrências de febreamarela no país. Do total de entrevistados, 64,1 por cento disseram terouvido falar ou estar acompanhando informações sobre o usoindevido dos cartões corporativos por membros do governo. Dosque se propuseram a comentar o assunto, 83,1 por cento disseramser contra a manutenção dos cartões e 74,9 por cento avaliaramque seu uso indevido afeta a imagem do presidente Lula. Sobre o surto de febre amarela, 93,4 por cento disseramconhecer o assunto e 16,7 por cento do total disseramconsiderar que o problema foi devido à falta de atuação doMinistério da Saúde --outros 36,7 por cento responsabilizaram"todos nós" pelo surto. A pesquisa Sensus divulgada nesta segunda-feira foirealizada entre os dias 11 e 15 deste mês, com 2.000 pessoas em136 municípios do país. A margem de erro é de 3 pontospercentuais, para cima ou para baixo. (Edição de Carmen Munari)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.