Lula manda e PT coloca 'ponto final' na idéia de 3º mandato

O presidente do partido, Ricardo Berzoini, disse nesta manhã, em reunião, que debate é 'totalmente artificial'

Leonencio Nossa, do Estadão

06 de novembro de 2007 | 13h57

Por ordem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PT decidiu colocar um "ponto final" na idéia de um terceiro mandato consecutivo. Em encontro nesta manhã com os presidentes da Câmara, Arlindo Chinaglia, e do PT, Ricardo Berzoini, Lula deixou claro que não quer prolongar a polêmica num momento em que o governo negocia com o PSDB a proposta de prorrogar a vigência da CPMF.  Veja Também: Lula descarta 3o mandato e diz que prioridade é crescimento  'Discussão sobre 3º mandato não tem cabimento', diz Tarso  Aécio ironiza proposta de 3º mandato para Lula em 2010   'Idéia de terceiro mandato é insensatez pura', diz Lula  Constrangido, o deputado Ricardo Berzoini teve de dar uma entrevista no Palácio do Planalto para apresentar a posição oficial do partido. "É importante colocar um ponto final numa pauta que é absolutamente artificial", disse. Ele ressaltou que o PT, reiteradas vezes, desde 1996, se posicionou contra o segundo mandato consecutivo. O 3º Congresso do Partido, entre agosto e setembro deste ano, não teria se posicionado a favor de mais um mandato de Lula, ressaltou. Berzoini respondeu que esteve no gabinete apenas para conversar com o presidente, minimizando o fato de Lula o enquadrá-lo. Quem também se encontrou com Lula e teve de dar entrevista foi o deputado e amigo pessoal do presidente Devanir Ribeiro (PT-SP), autor da proposta de emenda constitucional que daria ao presidente o direito de convocar plebiscitos sobre vários assuntos, como mais um mandato. "Nunca falei em terceiro turno", disse o deputado, referindo-se a terceiro mandato. "Isso é invenção da mídia." A um comentário de jornalistas de que Lula estava gostando da idéia levantada por setores do PT, Berzoini riu: "Vocês é que estavam gostando, pois tinha matérias e leads".

Tudo o que sabemos sobre:
3º mandatoPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.