Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Lula lança observatório para acompanhar ações contra ele

A ideia, de um grupo de intelectuais, é defendê-lo do que se classificou de 'processo de deslegitimização' do líder petista

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2016 | 23h30

RIO - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou na noite desta sexta-feira, 2, de lançamento no Rio do observatório criado para acompanhar os processos judiciais contra ele. A ideia, de um grupo de intelectuais, é defendê-lo do que se classificou de “processo de deslegitimização” do líder petista. Evento semelhante ocorreu em SP, no fim de outubro.

Lula discursou para uma plateia formada pela cantora Beth Carvalho, o escritor Fernando Moraes, políticos como o senador Lindbergh Farias (PT) e o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ), entre outros. Parte da fala do ex-presidente foi transmitida ao vivo pelo Facebook. Segundo o ex-presidente, os processos a que responde são uma tentativa de afastá-lo das eleições de 2018.

“Estão criminalizando o PT e já vimos isso no Brasil e no mundo. O (presidente Michel) Temer é um constitucionalista. Ele sabe que não poderia ter golpe contra a (ex-presidente) Dilma (Rousseff). Era necessário acabar com a trajetória do PT. Porque se a Dilma conclui o mandato, se vem Lula, vão fazer os 20 anos de governo com que os tucanos sonhavam. Então, precisa acabar (o PT). (...) ‘Roubar o mandato dela e deixar esse Lula voltar a ser presidente é demais’.  O objetivo deles é evitar 2018.  E é isso que mexe comigo. Que me dá cócegas”, disse Lula.

O ex-presidente citou dados de pesquisa sobre preferência partidária, que deixa o PT com 13%, à frente de partidos como PSDB e PMDB. “Para vocês terem uma ideia, quando cheguei à presidência, em 2002, o PT tinha 11% de preferência nacional. Quando entreguei para Dilma, em 2011, tinha 36%”, disse Lula, ressaltando que esse índice não havia sido alcançado “nunca antes na história desse País”, arrancando gargalhadas da plateia. “O PT apanha desde 2005 de chicote, de corrente. Ainda assim, tem 13%. Ainda que moribundo, no pelourinho, o PT ainda tem mais preferência do que os dois partidos da elite”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.