Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Lula já deve ter percebido que deu 'fora' ao se aliar a Maluf, diz Erundina

'Não se trata de traição a mim, mas a princípios', completou a deputada em entrevista coletiva

Eduardo Bresciani,

20 de junho de 2012 | 16h14

RIO DE JANEIRO - A deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP) afirmou em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, 20, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já deve ter percebido o erro cometido ao patrocinar uma aliança em São Paulo do PT com o ex-prefeito Paulo Maluf (PP). Erundina deixou nesta terça a posição de vice na chapa de Fernando Haddad por não concordar com a composição.

"O Lula é sensível, é intuitivo, ele, a essas alturas, já deve ter percebido o fora que deu", disse a deputada. "Não se trata de traição a mim, mas a princípios", completou.

Erundina destacou que o fato de Lula ter ido até a casa do ex-prefeito pesou na sua decisão de abandonar a chapa. Ela afirmou que o acordo poderia ter sido fechado de forma discreta e em algum ambiente institucional. "Você vai à residencia da pessoa quando tem intimidade, tem respeito. Não acho que Lula tem respeito por Maluf, mas a conveniência o levou a isso".

A deputada voltou a fazer ataques ao ex-prefeito. Enfatizou a atuação dele como prefeito e governador indicado durante o regime militar e disse que a presença de Maluf provoca contaminação a qualquer candidato. "A presença do Maluf só atrapalha, desqualifica, afasta as pessoas, tira a credibilidade de quem esta junto com ele, mesmo uma pessoa como o Haddad, que é o melhor candidato para São Paulo".

Erundina disse que vai continuar apoiando Haddad por entender que uma posição de neutralidade beneficiária o principal adversário de seu grupo político, o PSDB. Ela destacou que os tucanos também já tinham procurado Maluf atrás de aliança. "Eles só não tiveram o apoio do Maluf porque não pagaram o preço que ele queria".

Para ela, o PT fez uma concessão de princípios e está "supervalorizando a mídia" ao se aliar a Maluf para ampliar o horário na televisão durante a campanha. Ela destacou que a propaganda na TV não é suficiente se o projeto da candidatura não está bem construído, mas reafirmou a crença na viabilidade eleitoral de Haddad.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.