Lula indica Carlos Alberto Direito para o STF

Novo ministro irá substituir Sepúlveda Pertence, que se aposentou na última sexta-feira

LISANDRA PARAGUASSU, Agencia Estado

28 de agosto de 2007 | 11h05

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva formalizou nesta terça-feira, 28, o convite ao ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Carlos Alberto Direito para assumir o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), no lugar de Sepúlveda Pertence, que se aposentou sexta-feira.   Direito aceitou o convite e terá agora que ser sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado.   O encontro de Lula com Direito foi no Palácio da Alvorada, acompanhado pelos ministros da Justiça, Tarso Genro e da Defesa, Nelson Jobim.     Tarso Genro já havia confirmado o convite feito pelo presidente  a Direito, para ocupar a vaga deixada por Sepúlveda Pertence, no Supremo Tribunal Federal.    Perguntado sobre o motivo da presença de Jobim no encontro, já que ele nega a autoria da indicação de Direito para o cargo, Tarso justificou que Jobim foi ministro da Justiça, presidente do Supremo Tribunal Federal e "conselheiro do presidente".   Questionado se Jobim teria sido o responsável pela indicação de Direito para o STF, Tarso disse que não sabia.   "O que sei é que é uma indicação do presidente", desconversou Tarso.Há alguns dias, quando um fotógrafo do O Globo flagrou uma troca de mensagens entre ministros do Supremo Ricardo Lewandowski e Carmem Lúcia deram a entender que o substituto de Sepúlveda estaria sendo indicado pelo grupo ligado a Jobim, que foi presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro da Defesa afirmou que não tinha nada a ver com a indicação.Jobim disse apenas que conhece Direito há muitos anos. "É um sujeito extraordinário, altamente competente e tem uma tradição jurídica muito forte".A ministra Cármen Lúcia seria contrária à indicação de Carlos Alberto Direito ao Supremo e à antecipação da aposentadoria de Pertence a tempo de permitir a rápida indicação e aprovação pelo Senado. Sabatina Mal o presidente Lula confirmou o nome de Direito, os governistas iniciaram no Senado uma ofensiva para apressar a realização da sabatina. O prazo é curto, porque a Constituição estabelece que uma pessoa só pode assumir o cargo de ministro do STF antes de completar 65 anos, idade que Direito completa na próxima sexta-feira, 7 de setembro.Além dos articuladores do Palácio do Planalto, ministros de vários tribunais telefonaram para senadores solicitando a rápida aprovação do nome de Direito. PerfilConsiderado de perfil conservador, Direito votou em abril de 2005 a favor da extensão do direito de casais ou indivíduos homossexuais incluírem seus companheiros e dependentes em planos de saúde.Em 2006, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), participou da votação que puniu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a perda de 5 minutos no horário eleitoral gratuito. Direito entendeu que Lula invadiu um tempo destinado à propaganda de aliados que disputavam cargos na Bahia fazendo propaganda própria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.