Lula inaugura trem ´maria-fumaça´ e evita falar de reeleição

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a primeira-dama, Marisa Letícia, embarcaram no trem "maria-fumaça" que vai percorrer 18,7 quilômetros até Ouro Preto, iniciando a inauguração dessa linha ferroviária turística construída pela Companhia Vale do Rio Doce (CVRD). O presidente evitou responder a uma brincadeira de um jornalista que lhe perguntou se estava embarcando no "trem da reeleição". E Marisa Letícia, questionada se é a favor da reeleição, limitou-se a sorrir.O arcebispo de Mariana, Luciano Mendes de Almeida, fez uma oração antes da partida do trem e aspergiu o presidente e a estação de Mariana com água benta. Sorridente, Lula posou para fotos na cabine do trem usando um quepe de maquinista. Imprensa barradaA Vale do Rio Doce proibiu a entrada de repórteres dos jornais O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo no vagão destinado à imprensa no trem turístico, alegando que já estava lotado. A empresa manteve a proibição apesar de insistentes pedidos de seguranças da Presidência da República que diziam falar em nome do presidente. A Vale gastou R$ 48,5 milhões na reconstrução do trem e na recuperação da ferrovia e teve o apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e contou com a parceria institucional da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), das prefeituras de Mariana e Ouro Preto e dos Ministérios do Turismo e da Cultura.Vale explicaA assessoria de imprensa da Companhia Vale do Rio Doce esclareceu por que alguns jornalistas não tiveram acesso nesta sexta ao vagão destinado à imprensa no trem turístico inaugurado pelo presidente Lula, em Minas Gerais.De acordo com a assessoria da Vale, a proibição resultou de normas do cerimonial, que previa a presença apenas de repórteres de imagem no referido vagão. Os repórteres de texto iriam em outra condução.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.