Lula inaugura terreno baldio no Pará

Usina da Vale é promessa feita nas eleições de 2006, mas diretor da empresa admite que até o fim deste ano só terraplanagem será feita

Eugênia Lopes/ALTAMIRA (PA) e Leonencio Nossa/MARABÁ (PA) - O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2010 | 21h06

No esforço para impulsionar a campanha da petista Ana Júlia Carepa à reeleição no Pará, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva "inaugurou" ontem um terreno baldio e comandou um comício em estádio de futebol.

 

Em Marabá, com estardalhaço, Lula anunciou, num palanque montado num terreno vazio da Transamazônica, o "início" da terraplenagem para construção de uma usina siderúrgica da Vale.

 

Até o final deste ano, a obra não passará da fase de terraplenagem, admitiu em entrevista após o evento José Carlos Martins, diretor executivo de Ferrosos da companhia.

 

O empreendimento faz parte de uma lista de promessas feitas nas eleições de 2006 nas regiões Sul e Sudeste do Pará que dificilmente serão cumpridas. Lula e Ana Júlia prometeram também a pavimentação do trecho paraense da Transamazônica e um plano de desenvolvimento sustentável da BR-163. A entrega das eclusas de Tucuruí, outra promessa, ocorrerá em setembro, disse a governadora.

 

Para mostrar a importância do evento que, segundo Lula, "mudará a história industrial do Estado", assessores da Presidência e do governo do Estado e funcionários da Vale pediram a uma empreiteira da companhia que estacionasse no terreno vazio nove retroescavadeiras e 16 caçambas.

 

Lula e a governadora subiram numa das máquinas para as tradicionais fotos de viagens presidenciais. Nas contas oficiais, a obra da siderúrgica vai gerar 16 mil empregos. A usina empregaria 5.300 mil empregos diretos durante as operações.

 

Depois de resistir durante três anos a fazer qualquer promessa de tirar a siderúrgica do papel, o presidente da Vale, Roger Agnelli, disse ontem que a obra vai custar R$ 5,3 bilhões e ficará pronta em 2013.

 

Até agora, no entanto, quem gastou com o projeto foi o governo do Pará, que está sendo questionado pelo Ministério Público Estadual por pagar um total de R$ 60 milhões em indenizações para 26 fazendeiros que vão ter de deixar a área. Dois deles vão ficar com metade do valor desembolsado pelos cofres do Estado.

 

Após o evento, a governadora do Pará, Ana Júlia Carepa, foi questionada sobre o cronograma das obras da usina. A uma pergunta sobre quando as obras começariam de fato, ela, exaltada, disse que as obras já tinham começado.

 

Mais cedo, em Altamira, nem mesmo a presença de Lula evitou que Ana Júlia fosse vaiada por uma plateia de cerca de dez mil pessoas que lotaram o estádio municipal do Bandeirão, no centro de cidade, para ouvir o presidente defender a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte.

 

A passagem de Lula por Altamira foi relâmpago e sob um forte esquema de segurança. Mal desembarcou na cidade, o presidente deu uma entrevista, ainda no aeroporto, à rádio Vale do Xingu, quando enumerou os projetos do governo federal para a região, como o asfaltamento da transamazônica (BR 230) e a usina de Belo Monte. Além de citar o nome de Ana Júlia e pedir até ao repórter da rádio que a entrevistasse, Lula aproveitou para fazer campanha velada para a candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff.

 

"Eu sempre trabalho com a ideia de que nós podemos fazer mais, e para isso precisamos trabalhar mais. Então, eu penso que será um processo eleitoral tranquilo. Acho que o povo quer continuidade das coisas que estão acontecendo no país, porque o povo percebe que é uma chance extraordinária de melhorar, definitivamente, a vida do povo", disse Lula, ao ser perguntado sobre sua sucessão.

 

Ao lado do deputado Paulo Rocha (PT-PA), que deverá ficar impedido de disputar o Senado com a Lei do Ficha Limpa, o presidente dedicou a maior parte de seu discurso de oito minutos para polemizar com os cerca de 20 manifestantes contrários à construção da usina de Belo Monte e que foram autorizados a entrar no estádio Bandeirão. Uma passeata com uma centena pessoas desfilou pelas ruas do centro de Altamira com faixas de protesto contra a construção da hidrelétrica. "Barragem não, queremos saúde e educação", berraram os manifestantes. Um boneco gigante de Lula foi queimado na porta do estádio.

 

Em Altamira, o palanque de Lula foi bastante eclético. Favorável à hidrelétrica, a prefeita da cidade, a tucana Odileida Maria Sampaio, aproveitou para condecorar o presidente com a medalha de ordem de mérito do Xingu e fazer uma série de reivindicações como a criação de uma faculdade de medicina em Altamira. O mais aplaudido foi Francisco de Assis, conhecido como Chiquinho do PT, prefeito de Anapu e presidente do consórcio Belo Monte.

 

Sem citar o nome do cineasta James Cameron, que no fim de março esteve em Altamira para protestar contra a construção de Belo Monte, o presidente Lula disse que os manifestantes "certamente ficaram encantados com o americano que veio aqui". O diretor de "Avatar" e "Titanic" é canadense. "Eles deveriam ir lá tirar o petróleo no Golfo do México, que está poluindo o oceano", afirmou Lula, referindo-se ao vazamento da British Petroleum (BP) na área.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.