Lula inaugura sistema contra desmatamento na Amazônia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou o Sistema Integrado de Alerta de Desmatamento (Sipam), na sede do Serviço Integrado de Vigilância da Amazônia (Sivam). Em conversa com técnicos, Lula perguntou se o Sipam permitirá ao Brasil afirmar, em fóruns mundiais sobre questões ambientais, que é "dono do próprio nariz". O presidente quis também saber dos técnicos quem é que começa o desmatamento na Amazônia. "Podemos entender que o desmatamento começa com a soja, ou que não é com a soja, mas com os madeireiros e o gado?", indagou. Um técnico respondeu: "O madeireiro é o sócio do cara da soja". O presidente sorriu e acrescentou: "Ou é o próprio."Lula perguntou também se, com base nas fotos da floresta amazônica tiradas a partir de satélites, será possível saber quem está desmatando. Técnicos do Sipam apontaram para o presidente do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis), Marcus Barros, que participava da inauguração, para que elerespondesse. Barros explicou a Lula que há uma série de procedimentos a ser seguida para que se chegue à identificação do autor ou autores dodesmatamento. Apesar da preocupação em conter o desmatamento, o presidente Lula deixou claro que pretende promover o desenvolvimento sustentável na região. O presidente afirmou que a Amazônia não pode ser um "santuário da humanidade", porque nela vivem "20 milhões de homens e mulheres queprecisam trabalhar." Destacou a importância da prorrogação da Zona Franca de Manaus, afirmando que os que criticam essa iniciativa do governo são "os que só conhecem o Amazonas pelo mapa." O presidente embarcou de volta para Brasília às 22h05 (21h05 pelo horário local). A previsão era de que chegaria a Brasília no início da madrugada desta sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.