Lula: governo não cogita negociar CPMF para Estados

O presidente Luiz Inácio Lula da silva afirmou hoje que vai haver negociação no Congresso em torno da prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até 2011, como tem ocorrido historicamente desde que i imposto foi criada. Mas Lula advertiu que a negociação não envolverá repartição com os Estados nem a alteração na alíquota. "Ninguém está pensando nisso (repartição da arrecadação com os Estados) e também não vamos mexer na alíquota", disse ele, no Palácio do Itamaraty.Para demonstrar sua confiança na aprovação da prorrogação da CPMF pelo Congresso, Lula argumentou: "Quem em sã consciência acha que o governo pode prescindir de R$ 38 bilhões? Se não houver o dinheiro, o governo obviamente terá que cortar em outras coisas, da mesma forma que o trabalhador teria que cortar se tirassem 50% do seu salário". Ele lembrou que quando foi proposta a criação da contribuição o PT foi contra. "Sempre tem muito barulho. Agora são eles", afirmou, referindo-se à oposição."Qual é a função da oposição? Criar problema para o governo. E a função do governo é governar", emendou. Lula disse que a intenção do governo é aprovar a CPMF junto com a reforma tributária. Até o momento, porém, a proposta de reforma tributária não foi encaminhada ao Congresso. "Essa reforma que todo mundo fala e ninguém faz, nós vamos fazer. Nós vamos ser julgados pelo que a gente fizer", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.