Lula garante que há condições para iniciar ciclo de crescimento

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse em seu discurso feito para empresários, durante evento realizado pela revista Exame no Hotel Renaissance, em São Paulo, que estão "dadas as condições de inauguração de um novo ciclo de crescimento econômico no País". "A estabilidade reconquistada é o novo alicerce e sobre ele vamos construir o edifício do desenvolvimento", afirmou. Segundo Lula, seu governo se dedicou nos primeiros seis meses a recuperar a estabilidade financeira para garantir a retomada dos investimentos. "É possível avaliar o significado de todo esse trabalho, responsável e criterioso, que torna agora possível dar início ao novo momento do governo, de reativação gradativa da economia, rumo à retomada do crescimento, e não só porque foi dado o início da redução da taxa básica de juros e porque a inflação dá mostras de caminhar para as metas estabelecidas", justificou. De acordo com o presidente, dentro do objetivo de retomar o crescimento econômico do Brasil, seu governo implementa uma nova agenda econômica, disposta a discutir a adoção de uma política industrial, "durante muitos anos proibida de falar em nosso País". "Nós não temos medo disso. Vamos perseguir políticas industriais e tecnológicas modernas sem doação indiscriminada de recursos públicos, como já se fez no Brasil durante tanto tempo", argumentou. "Não há hipótese de desperdício dos parcos recursos do Estado", complementou. Ao justificar de forma indireta os aumentos das tarifas telefônicas, o presidente disse que o governo está revendo as regras para o setor de infra-estrutura. Ele disse que o governo está refazendo os marcos regulatórios, em sintonia com as agências e consultando empresas e sociedade. ?Foram definidas regras consensuais para a transição rumo a um novo modelo de contrato na telefonia, a partir de 2006, e estão sendo reconstruídos os marcos e as regras para a energia elétrica, e também será feito para saneamento, transportes e outros setores?, garantiu. "Temos a convicção de que o Estado poderá fazer uma parte dos investimentos prioritários por meio de parcerias público-privada. Lula deixou o Hotel Renaissance com destino ao edifício do Banco do Brasil, na avenida Paulista, onde está o escritório da Presidência da República em São Paulo. Lá, ele se reunirá com o presidente nacional do PT, José Genoino.

Agencia Estado,

04 de julho de 2003 | 16h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.