Lula: 'força oculta' barra votação da reforma tributária

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamentou o fato de o Congresso não ter aprovado até agora a reforma tributária. Segundo ele, o corporativismo de diversos setores impediu a aprovação. "Dizem que as forças ocultas pedem para elas (as reformas) não serem votadas. A reforma tributária não avançou porque cada um de nós tem um modelo próprio. As coisas não andam", disse o presidente, no discurso durante a reunião no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, no Palácio do Itamaraty.Lula disse que o seu governo promoveu o "maior processo de desoneração da história da República". Ele aproveitou para reclamar de críticas que recebeu da imprensa, empresários, economistas e sindicalistas em dois momentos do seu governo. "Não esqueço nunca que em 2003 eu utilizei a palavra ''espetáculo do crescimento'' para falar do desenvolvimento do País e fui achincalhado pela imprensa, pelos jornalistas econômicos, pelos empresários e pelos sindicatos. Todo mundo dizia que eu estava louco", afirmou. Segundo o presidente, o País cresceu como deveria ter crescido e nenhum analista lhe pediu desculpas. Lula também reclamou quando pediu otimismo, no final do ano passado, diante da crise financeira global. Ele disse que foi um momento muito difícil ter de ir para a televisão fazer apologia ao consumo, para que não houvesse desemprego. Lula avaliou que a redução do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano ocorreu por causa do pânico e do medo exagerado propagandeado no noticiário internacional. Segundo ele, o mercado interno aliviou os efeitos da crise na economia brasileira. "O que está acontecendo em relação à crise é que a água já não está fervendo. A água está morna. Não há mais tanto pessimismo na União Europeia e nos Estados Unidos", afirmou.

LEONENCIO NOSSA, Agencia Estado

27 de agosto de 2009 | 14h08

Tudo o que sabemos sobre:
Lulareforma tributária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.