Lula foi ´autoritário´ ao anunciar acordo do mínimo, diz Maia

A oposição reagiu nesta quarta-feira à declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que seria "demagogia" do Congresso reajustar o valor do salário mínimo além dos R$ 380 acordados entre o governo e as centrais sindicais. "Se alguém tentar extrapolar o limite do que foi acordado, não tenham dúvida que eu veto, como vetei antes das eleições a demagogia daquele aumento que quiseram dar", afirmou o presidente. Antes das eleições, Lula teve que vetar o reajuste de 16% para os aposentados que recebiam acima do salário mínimo, concedido pelo Congresso. Para o líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ), Lula, mais uma vez, se comportou de maneira autoritária. "O presidente precisa se controlar, tomar um Lexotan ou vai se transformar em um Chávez (Hugo Chávez, presidente da Venezuela", afirmou o pefelista. Na avaliação de Maia, Lula desrespeita o Congresso ao tentar impor sua vontade. "Quem representa a sociedade é o Parlamento. Cabe ao Congresso tomar a decisão. Ao presidente cabe o poder do veto", disse o líder do PFL. Maia enfatizou que o objetivo é conseguir maior aumento possível, tendo como meta atingir o mais próximo possível os R$ 420. O pefelista desqualificou ainda o acordo do governo com as centrais sindicais. "Vamos votar o valor que os sindicatos propuseram antes da reunião com o presidente e não depois que ficaram fechados numa reunião com Lula, em que ninguém sabe o que ocorreu", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.