Lula foge dos protestos, mas também é vaiado em Natal

Presidente viaja para o lançamento de investimentos em habitação e saneamento previstos no PAC

Clarissa Oliveira, do Estado,

27 de julho de 2007 | 12h00

Em mais uma viagem para o lançamento de investimentos em habitação e saneamento previstos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se tornou novamente alvo de protestos na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. Veja também:Apesar da blindagem, Lula é vaiado ao lançar PAC em Aracaju Os manifestantes, cerca de 200, não puderam entrar no local e sequer chegaram perto do presidente Lula, mas trouxeram ao Centro de Convenções da cidade, faixas com inscrições como: "Prisão já para corruptos e corruptores" ou ainda " Incra em greve contra o PAC e o PLP-01 (projeto que restringe a greve do funcionalismo público)". Além disto, os manifestantes também aproveitaram para reutilizar um cartaz em forma de cueca, provavelmente confeccionado na época do escândalo do episódio da cueca, em que um assessor do irmão de Genoino, deputado estadual José Nobre Guimarães (PT), foi preso no aeroporto com US$ 100 mil na cueca. A inscrição neste caso dos dólares na cueca: "Seu Lula sabia!!!". Entre os participantes do protesto havia representantes do PSTU, servidores da área de saúde, do Incra e do Ibama, além de bancários de acordo com uma das organizadoras do protesto, a diretora do SindiSaúde de Natal, Sonia Godeiro. Dentro do local do evento, o presidente Lula só recebeu aplausos e manifestações de apoio, a platéia chegou a cantar, o "ole, ole, olá, Lula, Lula". Segurança Para assegurar segurança no local foram disponibilizados, um total de 150 policiais espalhados pelos principais pontos de Natal, sendo que 80 homens foram alocados somente no Centro de Convenções.  Os manifestantes não puderam ingressar no salão onde foi realizada a cerimônia e ficaram restritos à entrada do local. Outro acesso ao prédio foi utilizado pelo presidente e pela comitiva que o acompanhou. A ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, concedeu entrevista antes do evento e também não chegou a ver mal algum na manifestação,e disse não concordar "que os protestavam tenham sido proibidos de entrar". Apesar disto, só foram autorizados a entrar no recinto os detentores de uma credencial distribuída para o evento a diversos funcionários do serviço público de vários municípios como Natal, além do governo estadual. Pressionada sobre a série de protestos que têm marcado cerimônias do PAC, Dilma disse ter participado de todas as cerimônias e disse ter se deparado apenas com "uma celebração" por se tratar de um esforço conjunto do Governo Federal, inclusive com governos de oposição, em benefício da população".  "O que tenho visto, é um momento de muita, eu diria o seguinte, celebração", afirmou Dilma. "Não vi protestos em relação as medidas do PAC, pelo contrário, vi uma comemoração". Dilma fez questão de lembrar ainda que já foi presa por protestar, portanto, acredita que estas manifestações devem ser asseguradas e garantidas. "O governo assim como recebe palmas, recebe vaias. Não podemos achar que o protesto é coisa que não faz parte da democracia".  Lula e Dilma chegaram ao Centro de Convenções de Natal, por volta das 9h45 da manhã, quase com uma hora de atraso em relação ao horário previsto para o evento. Ao lado deles, estavam o ministro das Cidades, Marcio Fortes e a governadora do Rio Grande do Norte Vilma de Faria, além de prefeitos e outras lideranças políticas da região.

Tudo o que sabemos sobre:
LulanatalPacvaias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.