Lula federaliza disputa em Natal

Presidente usou comício de Fátima Bezerra (PT) para atacar José Agripino (DEM), que apóia Micarla Sousa (PV)

Cida Fontes, O Estadao de S.Paulo

28 de setembro de 2008 | 00h00

A disputa eleitoral em Natal, cidade de quase 500 mil eleitores, virou um plebiscito e a vitória do PT é questão de honra para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A capital potiguar foi a primeira e única a receber Lula para um comício fora do circuito paulista. Na festa organizada pela candidata petista, deputada federal Fátima Bezerra, e ao lado de partidários do PMDB e PSB, Lula deu o tom ideológico da campanha, projetando-a para o jogo eleitoral de 2010: quem está aliado à oposição será inimigo daqui a dois anos e, portanto, não terá seu apoio.Ao eleger a candidata do PV, deputada estadual Micarla de Sousa, como inimiga, o presidente ensaiou, no palanque, o desejo de reproduzir a aliança PMDB, PT e PSB - seus três maiores parceiros no Congresso - na eleição presidencial. Sinais que, inclusive, têm suscitado conversas internas no PMDB e no PSB em torno da indicação do vice-presidente em uma eventual chapa encabeçada pela ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil. Tanto o presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), quanto o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), enfatizam que a aliança em sua terra serve, sim, como exemplo e embrião para acordos do mesmo naipe em outros Estados.Além de Natal, que tem um orçamento de R$ 1 bilhão, PMDB e PT estão coligados em Goiânia, Vitória, Fortaleza e Teresina na eleição municipal.No comício de Natal, Lula lançou um desafio a Micarla e fez duros ataques ao aliado da candidata verde, o líder do DEM, senador José Agripino (RN). A seu lado no palanque, a governadora Wilma de Faria (PSB) e Garibaldi Alves festejaram. Candidatos fortes, ambos querem derrotar Agripino para o Senado em 2010. Para o governo estadual, o favorito de Wilma é Iberê Ferreira, seu vice-governador. Mas alguns aliados não afastam a hipótese de Henrique Alves entrar no páreo.Com os ataques à adversária de Fátima Bezerra, que tem como vice o peemedebista Luiz Eduardo Carneiro, ligado a Garibaldi, Lula explicitou o seu lado. Assim, tentou pôr fim à versão passada para os eleitores de Natal de que as duas rivais têm o apoio do Palácio do Planalto. Por conta da aliança com o DEM, Micarla está excluída. "Uma eventual vitória de minha adversária seria entregar a prefeitura de Natal ao DEM, ao PFL", repetiu Fátima Bezerra, certa de que a presença de Lula no comício da "virada" vai alterar o quadro a seu favor. Na última pesquisa Ibope, divulgada no dia 16, Micarla tinha 45%, e Fátima, 28%.BELEZAAo pedir votos para a petista, Lula exaltou justamente a origem humilde e modesta de Fátima Bezerra em contraponto com o padrão de vida melhor da adversária do PV - um reforço no preconceito, o que o presidente diz combater.Lula acrescentou que Micarla é apresentadora de TV e disse que televisão e beleza não elegem ninguém, mas sim caráter e honradez. As palavras duras soaram como ataque pessoal. "As pessoas me abraçam, me beijam e dizem que o presidente foi grosso e deselegante", disse Micarla.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.