Lula fecha acordo para renegociar dívida do Gabão com o Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou hoje com o governo do Gabão um acordo de renegociação de uma dívida de US$ 36 milhões, que na prática é um perdão concedido ao país africano. Pelo acordo, o governo do Brasil vai converter a dívida em incentivos fiscais para empresas brasileiras investirem no país. Em encontro com o presidente Omar Bongo, que há 37 anos está no poder, Lula justificou que, mesmo o Brasil não sendo um país rico, tem o dever histórico, ético, político e humanitário de repassar experiências e distribuir parte de seus recursos com as nações "irmãs". "A minha mãe já dizia que na mesa que come um comem dois, na mesa que comem dois comem quatro e na mesa que comem quatro comem oito", disse. Na noite anterior, Lula participou de um jantar oferecido por Bongo, ouviu bossa-nova e chegou a sambar num salão decorado com cores verde e amarelo e bolas de futebol. Ao firmar acordos de combate à Aids e à malária, desenvolvimento de lavouras de mandioca e troca de experiências na área diplomática no Palácio Presidencial, Lula relatou ao presidente gabonês que, nos últimos 34 anos, o número de pobres cresceu no Brasil.Dos 15 empresários anunciados pelo Itamaraty para acompanhar a visita de do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Gabão, apenas dois compareceram. A Companhia Vale do Rio Doce é hoje a maior interessada em fazer negócios no país africano. Uma empresa da Vale já contratou duas 200 pessoas para atuar na extração de manganês, maior potencialidade econômica do Gabão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.