Lula faz novas críticas à imprensa em cerimônia no Rio

Presidente citou reportagens que questionavam a presença da ministra Dilma em inauguração de hospital

Adriana Chiarini, Agência Estado

08 de março de 2010 | 14h47

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a se queixar da imprensa brasileira, em cerimônia de inauguração de um centro esportivo na Rocinha, no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira, 8. "A imprensa brasileira, por hábito ou por desvio, não gosta de falar em obras inauguradas. Ou seja, coisa boa não interessa, o que interessa é desgraça ", afirmou.

 

Lula citou reportagens da imprensa que questionavam a presença da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, no domingo, 7, na inauguração de um hospital estadual no Rio - obra que não teria recebido recursos do governo federal. De acordo com Lula, o governador tem o direito de convidar a ministra e a parceria com o governo federal permitiu que o Estado tivesse recursos para investir no hospital.

 

Lula disse ter aprendido a fazer política na adversidade. "Tenho o casco duro", afirmou. Segundo ele, uma parte da sociedade "não aceita que um metalúrgico seja presidente da República e que tenha feito mais do que eles".

 

Presente ao evento, a ministra Dilma também afirmou que existem recursos do governo federal no custeio do hospital estadual inaugurado no domingo. No entanto, ela não deu maiores detalhes sobre a participação federal no projeto. De acordo com a assessoria da ministra, a Casa Civil e o Ministério da Saúde devem divulgar nota à imprensa, ainda nesta segunda, para explicar a parceria.

 

Preconceito contra os pobres

 

Ainda na Rocinha, Lula disse que existem bandidos em favelas, mas também em outros lugares. "É verdade que na Rocinha deve ter algum bandido. É verdade que deve ter algum bandido no Pavãozinho. Mas quem disse que não tem bandido nos prédios chiques de Copacabana?", disse Lula.

 

De acordo com o presidente, é grave o preconceito com os pobres. Ele considera que, quando as pessoas têm oportunidades, não seguem o caminho do crime. Lula afirmou que o centro esportivo gera possibilidade de crianças se afastarem das ruas e se tornarem atletas.

 

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, lembrou que nesta segunda é comemorado o Dia Internacional da Mulher e fez uma homenagem "às mulheres que lutam para manter seus filhos longe do tráfico e do crime". Dilma foi muito aplaudida ao chegar à cerimônia e saudada com gritos de "Rocinha presente, Dilma presidente".

 

No grupo de pessoas que saudava Dilma, muitos estavam vestidos com uma camiseta que foi distribuída no local com os nomes de Lula e o governador do Rio, Sérgio Cabral, na frente, e do vereador Claudinho da Academia atrás. O vereador foi denunciado pelo Ministério Público no início deste ano por suspeita de ter tido ajuda do tráfico na Rocinha em sua eleição.

Mais conteúdo sobre:
imprensaLulacríticaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.