Lula fala do desemprego urbano e sua preocupação

Ao falar sobre o desemprego no Brasil, com o indice de 13,1%, divulgado ontem pelo IBGE, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, mostram que foram criados no Brasil 534 mil novos empregos. "Este é o maior saldo positivo desde 92, ou seja, dos últimos 12 anos". Lula observou que o problema do desemprego, acontece principalmente em áreas urbanas, pois na área rural ou interior, a recuperação está sendo mais forte. "Vamos ter de fazer muito esforço para que possamos ter mais desenvolvimento, mais geração de emprego" na área urbana. Questionado sobre a correção do Imposto de Renda, Lula disse que há uma demanda de sindicalistas sobre isto e o ministro da Fazenda Antonio Palocci está discutindo o tema e preferiu não dar sua posição sobre o assunto.Sobre o escândalo das notas frias da ONG Ágora, denunciado no final de semana, o presidente Lula preferiu não comentar e disse: "Não achei nada porque não acompanhei isto. Temos ministros e o vice-presidente da República para resolver o problema. Quando voltar ao Brasil e me inteirar,eu poderei responder com certeza. Se houve desvio, tem de ser apurado corretamente. E se houver responsável, tem de ser punido". Durante a entrevista, Lula fez uma avaliação sobre sua visita à China. Segundo ele, a visita superou sua expectativa. "Estou mais otimista hoje do que quando aqui cheguei", referindo-se às negociações de comércio bilateral entre os dois países.Segundo Lula, a visita à China, "é o coroamento de uma política internacional que o País tomou antes da campanha eleitoral e depois da posse". O presidente Lula participou, durante a manhã, de um seminário promovido pelo Banco Mundial para debater maneiras para se combater a miséria e em seguida foi a um seminário que contou com a participação de 500 empresários brasileiros e chineses. Neste momento está mantendo encontros privados no Hotel Hilton, no centro de Xangai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.