Lula exonera diretores dos Correios na mira da PF

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva exonerou ontem, por decreto, dois diretores da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT). Segundo fontes do governo, eles perderam o cargo por serem investigados pela Polícia Federal em meio à Operação Déjà Vu, deflagrada em 31 de outubro do ano passado.A ação tinha o objetivo de desmontar um suposto esquema de fraudes em licitações de órgãos públicos e na venda e transferência de agências franqueadas dos Correios. Os prejuízos à União, segundo cálculos da Polícia Federal, chegariam a R$ 21 milhões. Nos Correios, teria alcançado R$ 30 milhões por ano.Ao todo, a 1ª Vara da Justiça Federal em Sorocaba (SP) autorizou 43 mandados de busca e apreensão e decretou 19 ordens de prisão temporária. As acusações eram de extorsão, tráfico de influência, corrupção ativa e passiva, advocacia administrativa, formação de quadrilha, falsidade ideológica e descaminho. A investigação começou em janeiro de 2007 e, segundo a PF, o grupo contava com a participação de funcionários dos Correios. As primeiras suspeitas surgiram no município de Votorantim, região de Sorocaba.Outro golpe, também de acordo com a Polícia Federal, consistia na transferência ilegal de serviços de postagens de grandes clientes para uma franquia específica, privilegiando interesses particulares. Para substituir, interinamente, os dois diretores exonerados por Lula o governo nomeou dois funcionários de carreira da estatal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.