Lula evita dar apoio formal à candidatura de Chinaglia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou a reunião desta quarta-feira no Palácio do Planalto com o Conselho Político do PT para aconselhar o partido a trabalhar em torno de um candidato à Presidência da Câmara que represente o conjunto da coalizão de governo que ele está montando. O PT esperava ouvir do presidente apoio formal à candidatura do líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP).Lula, porém, escaldado pela derrota do PT para Severino Cavalcanti (PP-PE), justamente por ter apresentado dois candidatos - Luiz Eduardo Greenhalgh (SP), com apoio oficial, e Virgílio Guimarães (MG), dissidente - em 2005, não quer fazer a defesa da candidatura de Chinaglia. Ele tem afirmado que é amigo de seu líder e também do atual presidente, Aldo Rebelo (PC do B-SP), que aspira continuar no cargo, e que qualquer um deles será um bom candidato, desde que tenha o consenso de toda a base.O líder do PT na Câmara, deputado Henrique Fontana (RS), que participou da reunião com Lula, disse que na sua opinião dentro de 10 a 15 dias poderá ser encontrado o candidato de consenso para a base de apoio de Lula. Ele é coordenador da candidatura de Arlindo Chinaglia, mas aceitaria a de Aldo Rebelo, desde que houvesse a demonstração de que o atual presidente da Câmara tem mais condição de unir os partidos da coalizão. Fontana lembrou que o PT propôs, por intermédio de carta do presidente interino do partido, Marco Aurélio Garcia, ao presidente do PMDB, Michel Temer (SP), que o primeiro presida a Câmara em 2007/2008 e que o segundo dirija a Casa em 2009/10. "Temos um diálogo institucional com o PMDB. Mas não há ainda uma decisão deles, embora eu tenha a informação de muitos integrantes do partido defendem a candidatura de Chinaglia, afirmou Fontana. O Conselho Político do PT é formada pelo presidente interino Marco Aurélio Garcia, os vice-presidentes Maria do Rosário (RS) e Jilmar Tatto (SP), e os dirigentes Paulo Ferreira, Joaquim Soriano, Valter Pomar, Renato Simões e Glauber Piva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.