Lula estreia no horário eleitoral de Haddad lembrando eleição de Dilma em 2010

Ex-presidente apresenta candidato como 'o melhor ministro da Educação da história'

Bruno Lupion - O Estado de S. Paulo,

21 de agosto de 2012 | 14h50

O ex-presidente Lula estreou nesta terça-feira, 21, no horário eleitoral de televisão do candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. Em inserções de 30 segundos, Lula compara seu esforço para eleger Haddad à campanha de Dilma Rousseff à presidência, em 2010.

"Dois anos atrás, eu pedi ao povo brasileiro para votar na Dilma. Pouca gente conhecia ela, mas confiou em mim. Hoje mais que nunca o Brasil sabe que votou na pessoa certa. Com a mesma convicção, eu peço agora ao povo de São Paulo que vote em Fernando Haddad para prefeito", afirma Lula.

O ex-presidente também diz "conhecer bem" Haddad e o define como "o melhor ministro da Educação da história". Lula aparece sozinho por 28 segundos, ou 93% do tempo da inserção. Nos dois segundos finais, o vídeo mostra um abraço entre o ex-presidente e seu pupilo.

A coligação "Para Mudar e Renovar São Paulo", que reúne PT, PSB, PC do B e PP, tem direito a 107 inserções de 30 segundos por semana em cada canal da televisão aberta, ou cerca de 15 por dia.

As inserções são consideradas os instrumentos mais efetivos do marketing político, pois atingem a população que "foge" do horário eleitoral fixo, ao se misturar à propaganda comercial das 8h às 24h, sete dias por semana.

Programa. Na quarta-feira, 22, Haddad será o narrador de seu primeiro programa no horário eleitoral fixo da televisão, com duração de 7 minutos e 39 segundos - exatamente o mesmo tempo do candidato tucano, José Serra.

O petista apresentará um diagnóstico dos problemas da cidade e trará uma ideia de mudança, mas não falará de sua biografia. A apresentação da história de vida de Haddad e sua proposta de governo ficará para o dia seguinte.

No rádio, o programa da coligação trará Lula e Haddad conversando sobre as propostas do PT para desenvolver a zona leste da capital, como a criação de um parque tecnológico e uma universidade federal na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.