Lula estimula gastos e diz que Tesouro gosta de guardar dinheiro

O presidente Luiz Inácio Lula da Silvapediu nesta sexta-feira que governadores e prefeitos não façamo jogo do Tesouro e gastem em obras o dinheiro oferecido peloExecutivo ao setor de saneamento básico. Apesar de ter controle sobre sua equipe econômica, Luladisse não entender por que "diabo as pessoas gostam tanto deter dinheiro debaixo do travesseiro." "Se vocês não gastarem dinheiro bem, é tudo o que o Tesouroquer, que não gaste todo o dinheiro. E não é por culpa doTesouro, é porque todo tesoureiro e diretor financeiro de cadagovernador deve ser assim, ou de cada prefeito é assim",discursou Lula durante cerimônia de lançamento do PAC para 12Estados brasileiros mais o Distrito Federal. "Eu não sei que diabo que as pessoas gostam tanto de tertanto dinheiro debaixo do travesseiro. É engraçado, porque aspessoas poderiam querer passar para a história do Brasil edizer: olha,(.) fui eu que mais gastei em obras para melhorar avida da pessoa. Mas todo mundo quer carregar o status: fui eu oque mais economizei", acrescentou, arrancando risadas daplatéia. Ele pediu que os prefeitos organizem seus projetos para quepossa ver o resultado do investimento já em fevereiro do anoque vem. E aconselhou: "Se a companheira Clarice (Coppetti,presidente interina da Caixa Econômica Federal) não der jeitona questão da Caixa Econômica, eu a despacho para o Rio Grandedo Sul. Eu mesmo me despacho não sei pra onde. Eu só não possodespachar o José Alencar (vice-presidente)", brincou. Em seguida, fez outro apelo, desta vez para ser convidado avisitar as obras a partir do início de 2008. "Pelo amor deDeus, comecem a me convidar no ano que vem para visitar asobras em andamento", pediu Lula. O presidente exaltou a forma como a qual sua administraçãomudou "o padrão de governabilidade" no país, com atenção aosanseios dos governos locais. Para ele, os recursos liberadoslevam em conta as demandas comuns dos governos federal,estadual e municipal. "(Antes), anúncio era tudo faz de conta(.) O PAC permitiuque construíssemos uma nova engenharia de liberação derecursos." IBGE O presidente aproveitou a divulgação de dados sobre aindústria brasileira nesta sexta-feira para criticar os"pessimistas" do país. "O crescimento não é tanto quanto eu gostaria mas não écomo os pessimistas diziam", disse Lula em discurso nestasexta-feira na cerimônia do Programa de Aceleração doCrescimento (PAC) do Saneamento Básico e Urbanização. "O cara diz que precisa comer o ovo, mas fica torcendo paraa galinha não botar o ovo", criticou Lula. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)informou nesta manhã que a indústria cresceu 1,2 por cento emjunho na comparação com maio e 6,6 por cento em relação aomesmo período de 2006, melhor taxa desde dezembro de 2004. Os acordos do PAC anunciados nesta manhã Lula atingirão 71municípios de 12 Estados brasileiros (Acre, Alagoas, Amapá,Amazonas, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Pará, Rondônia,Roraima, Santa Catarina e Tocantins), além do Distrito Federal,no valor total de 6,9 bilhões de reais, sendo 5,9 bilhões dereais de recursos do governo federal. Serão 13,9 milhões depessoas beneficiadas pelo programa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.