Lula estabiliza e Alckmin sobe, mostra Datafolha

Depois de uma pesquisa Ibope negativa, que o colocou 24 pontos atrás do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no último dia 15, o governador paulista Geraldo Alckmin recebeu sinais animadores com a divulgação, hoje, de novos índices do Instituto Datafolha para as eleições presidenciais de outubro.No Datafolha de hoje, o governador viu sua distância encurtar em sete pontos no primeiro turno e em seis pontos no segundo - comparados, os dois casos, com a mesma pesquisa em fevereiro. Os novos números revelam que, se as eleições fossem hoje, Lula teria 42% (perdeu 1 ponto em relação a fevereiro) e Alckmin 23% (tinha 17%). No Ibope, Lula vencia Alckmin por 43% a 19% e, em um hipotético segundo turno, por 49% a 31% - uma confortável diferença de 18 pontos. Isso ocorre em um quadro no qual o candidato do PMDB é Anthony Garotinho (RJ), que ficou com 12%. Se o candidato peemedebista for Germano Rigotto (RS), Alckmin perde por 43% a 25%, mas Lula consegue maioria absoluta de votos válidos e vence já no primeiro turno. O governador tucano tem maiores razões para comemorar ao avaliar os números de um hipotético segundo turno. Em fevereiro, o Datafolha dava ao presidente uma vantagem de 18 pontos (53% a 35%). Agora, ela cai para 12 (50% a 38%). PotencialA leitura das tabelas mostra que procede o argumento de que Alckmin tem um bom potencial de crescimento. Seus índices melhoraram em todos os três segmentos - os de idade, renda e escolaridade. Seu nome mantém-se forte no Sudeste, cresce n a região Norte-Centro-Oeste mas continua fraco no Nordeste. Outro dado favorável ao governador é seu índice de rejeição, de apenas 16%. A rejeição de Lula é de 33% - e esse um terço de eleitorado contrário pode sinalizar que, nos índices atuais, ele está no topo de sua votação potencial, ou bem próximo dele.É razoável supor que uma parte do crescimento do governador paulista já traduza uma migração de votos que eram do prefeito José Serra. O intervalo de tempo entre a definição do candidato do PSDB (anunciado no dia 13) e a realização da pesquisa (dias 16 e 17) foi muito curto e é difícil quantificar essa transferência. O Datafolha ouviu 3.801 pessoas em 180 cidades brasileiras, entre os dias entre os dias 16 e 17 de março. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais.

Agencia Estado,

18 de março de 2006 | 18h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.