Lula está descolado dos escândalos, diz cientista político

Apesar de as intenções de voto para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) terem registrado queda de 42,2% para 37,5%, na pesquisa divulgada hoje pela CNT/Sensus, ele continua o candidato mais competitivo dessas eleições e é importante destacar que os escândalos não colaram na sua imagem. A avaliação é do cientista político e pesquisador da PUC e FGV de São Paulo, Marco Antonio Carvalho Teixeira. "A figura de Lula é muito mais forte do que o de sua legenda, ele não depende do PT, mas o partido precisa dele", avaliou.Para Carvalho Teixeira, o governo foi eficaz para resolver o episódio que envolveu a quebra ilegal do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa. "O Palocci (ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci) foi demitido rapidamente e o custo eleitoral que o caso poderia ter, foi debelado", emendou. Além disso, o cientista político acredita também que a maioria do eleitorado precisa de elementos mais palpáveis para fazer um julgamento mais crítico sobre a eventual ligação de Lula com esses episódios. "Outro dado importante é que os atuais índices de rejeição de Lula são inferiores aos que ele registrou em campanhas passadas."A respeito dos bons índices registrados pelo pré-candidato do PMDB à Presidência, Anthony Garotinho, e da queda do índice de rejeição apontado pela pesquisa CNT/Sensus, o pesquisador da PUC e FGV de São Paulo acredita que isso é reflexo dos programas da legenda e da exposição do peemedebista na mídia. Além disso, ele avalia que Garotinho pode estar sendo visto por muitos eleitores como a terceira via. "Enquanto Lula e Alckmin estão no embate, Garotinho está correndo por fora."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.