Lula enquadra radicais do PT

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou fidelidade dos parlamentares do PT em relação às propostas de reforma do governo, que vêm enfrentando resistência dos grupos radicais. "Reconheço o direito dos companheiros de falar as bobagens que quiserem. Porém, quando a decisão é tomada pela maioria, todos têm que cumprir", disse Lula. "Ninguém pode ser punido por falar, mas não aceito que se vote contra a decisão partidária", disse o presidente, segundo relato do deputado Paulo Bernardo (PT-PR), que participou do almoço de Lula com parlamentares do partido na casa do presidente da Câmara, João Paulo Cunha. Lula lembrou o episódio do colégio eleitoral de 1984, que elegeu Tancredo Neves, quando os deputados Airton Soares, Beth Mendes e José Eudes foram expulsos do partido porque desconsideraram a posição do PT e votaram pela eleição indireta. Os participantes da reunião entenderam que Lula deixou implícito, ao citar o episódio, que quem votar contra a decisão da bancada será expulso do partido.Sem chanceSe o governo fracassar, a esquerda não voltará ao poder no Brasil durante 50 anos, disse Lula. Ele disse aos parlamentares da bancada que eles poderão ser eleitos novamente, ?mas eu vou perder o direito de andar de cabeça erguida?, disse Paulo Bernardo. Veja o índice de notícias sobre as reformas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.