Lula, em NY, participa de Assembleia da ONU e cúpula do G-20

Conforme a tradição da ONU, presidente do Brasil será o primeiro a discursar na próxima quarta-feira

Gustavo Chacra, de O Estado de São Paulo,

20 de setembro de 2009 | 17h45

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, desembarca na tarde desta segunda-feira em Nova York onde receberá um prêmio por serviços públicos do Instituto Woodrow Wilson. Este será o primeiro evento de uma semana em que o brasileiro participará da Assembleia Geral da ONU e, a partir de quinta-feira, do encontro do G-20, em Pittsburgh.

 

Veja Também:

linkCúpula do G-20 traz nova chance para o fim da crise, diz Obama

linkG-20 volta a se reunir, mas pode perder força

 

O presidente do Woodrow Wilson, Lee H. Hamilton, de acordo com declarações divulgadas pelo instituto, afirmou que a escolha de Lula se deve à sua contribuição "decisiva para acabar com o regime militar e para abrir o caminho para a democracia em seu país".

 

Nesta terça-feira, Lula deve se encontrar com até oito chefes de Estado. Por enquanto, está confirmada pelo Itamaraty apenas uma reunião com o premiê da Espanha, José Luis Zapatero. Os demais não foram divulgados. A agenda do brasileiro ainda prevê uma entrevista com jornalistas esportivos estrangeiros para falar da candidatura do Rio de Janeiro para sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Repórteres do Brasil não poderão participar. A decisão sobre a sede acontece no início de outubro, na Dinamarca, e uma das concorrentes é Chicago, onde vivia Barack Obama.

 

Na noite desta segunda-feira, Lula participa de jantar oferecido pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, com a presença de todos os chefes de Estado que estão em Nova York. Conforme a tradição da Assembleia Geral das Nações Unidas, na quarta-feira, o presidente do Brasil será o primeiro a discursar, às 9h (10h em Brasília) desta quarta-feira. O presidente dos Estados Unidos falará em seguida.

 

Inicialmente, está previsto um encontro de Lula com Obama apenas em Pittsburgh, durante o G-20. Os dois líderes já se reuniram quatro vezes neste ano. Até agora, o presidente americano não confirmou se visitará o Brasil. Por enquanto, o presidente dos EUA não esteve em nenhum país da América do Sul. Seu governo ainda enfrenta dificuldades para aprovar no Senado o nome de Arturo Valenzuela para subsecretário de Assuntos Hemisféricos, que cuida da América Latina, e de Thomas Shannon, para a embaixada em Brasília.

 

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, chegou antes a Nova York e hoje manterá uma série de encontros bilaterais na missão brasileira na ONU. Na terça, ele deve participar da conferência climática. Depois da viagem de Lula para Pittsburgh, o ministro permanecerá em Nova York, onde se reunirá com a secretária de Estado, Hillary Clinton, e o chanceler da Holanda para discutir a violência contra as crianças.

Tudo o que sabemos sobre:
G-20Nova YorkLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.