Lula é violento com caseiro e fraquinho com Morales, diz Alckmin

O pré-candidato à Presidência da República, Geraldo Alckmin voltou a criticar a postura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na questão da nacionalização do gás da Bolívia. "O governo Lula é violento com o caseiro, para acobertar a corrupção e fraquinho, fraquinho para defender os interesses do Brasil", disse Alckmin, à Agência Estado.Ele se referia à violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa, que testemunhou a presença do ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci, na mansão da chamada República de Ribeirão Preto. Alckmin está visitando as obras sociais de Irmã Dulce, em Salvador. Acompanham a visita o governador da Bahia, Paulo Souto, e o senador Antonio Carlos Magalhães, entre outros pefelistas. Disputa entre PFL e PSDBAlckmin desembarcou na madrugada de hoje em Salvador, em meio a uma disputa entre o PSDB e o PFL da Bahia pela campanha. Até ontem à noite a agenda oficial de Alckmin não incluía nenhum compromisso com os tucanos baianos. Foi dura a negociação entre o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e o líder do PSDB na Câmara, Jutahy Júnior (BA), para acertar a agenda do candidato. A briga local está em torno da candidatura do ex-prefeito pefelista de Salvador, Antonio Embassahy, que disputará o Senado pelo PSDB, contra o candidato de ACM, senador Rodolpho Tourinho. ACM não queria que Alckmin tivesse qualquer encontro com os tucanos que pudesse ser interpretado como apoio à candidatura de Embassahy.Alckmin perdeu o vôo em São Paulo e sua chegada a Salvador, prevista para às 21 horas, acabou acontecendo pouco depois da meia-noite. Ainda assim, ACM e o governador Paulo Souto o recepcionaram no aeroporto. Temerosos de que o atraso irritasse o anfitrião, a assessoria de Alckmin informou ACM que a Varig havia cancelado o vôo. O único tucano presente na chegada de Alckmin foi o deputado João Almeida.Hoje a programação do pré-candidato será toda com o PFL, a exceção de uma visita à sede do PSDB. Cauteloso, Alckmin evita comentar sobre a polêmica das duas candidaturas ao Senado. Disse apenas que os dois partidos estão conversando, e que a aliança está consolidada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.