Lula é vaiado ao chegar ao casamento da filha de Dilma

Roberto Requião fez questão de declarar que está presente no casamento pois é amigo pessoal de Dilma

Wálmaro Paz, de O Estado de S.Paulo,

18 de abril de 2008 | 21h03

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou às 20h30 à igreja São José, na região central de Porto Alegre, para a celebração do casamento da filha única da ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, Paula Roussef Araújo e Eduardo Covolo. Ao passar pela entrada da igreja, Lula recebeu uma leve vaia. Ele está acompanhado da esposa, Marisa Letícia, e do ministro da Fazenda, Guido Mantega. Também estão presentes na igreja, o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), a ministra Marta Suplicy (PT-SP),o ex-governador, Olívio Dutra (PT-RS), o governador, Roberto Requião e a senadora, Ideli Salvati (PT-SC). Questionada se a presença de tantos políticos seria uma forma de prestigiar Dilma, a senadora Ideli ressaltou que até a oposição, com seus ataques à ministra acabam prestigiando-a, pois a colocam em evidência. "Imagine nós, que somos seus amigos e estamos aqui para comemorar uma data tão especial", disse Ideli. Roberto Requião, ao entrar na igreja, fez questão de declarar que está presente no casamento pois é amigo pessoal de Dilma.  Segurança O comandante do Policiamento da Capital coronel Jarbas Vanin anunciou que colocou 300 homens da Brigada Militar para fazer a segurança do casal Paula Roussef Araújo e Rafael Covolo, na Igreja São José, em Porto Alegre. A segurança, com o mesmo numero de homens colocados para darem segurança a um clássico GreNal(Grêmio x Internacional), é em virtude da presença do presidente da República e outras autoridades do governo, justificou Vanin. A elite política e boa parte do Produto Interno Bruto (PIB), em Porto Alegre (RS), participaram da festa de casamento da única filha de Dilma. São esperados 600 convidados.  Ministros e governadores, ávidos por demonstrar solidariedade à ministra, alvo predileto da oposição, que a acusa de montar um dossiê com gastos sigilosos do governo Fernando Henrique, estarão presentes. Um dia depois do casamento da filha, Dilma embarcará para Seul, na Coréia, onde permanecerá menos de 48 horas. Na pauta, o trem de alta velocidade que ligará o Rio a São Paulo. De lá ela seguirá para Tóquio e Kyoto, no Japão. Em seus quatro dias de visita, terá várias reuniões com executivos para tratar da reciprocidade de negócios, depois que o Brasil optou pelo modelo japonês de TV digital. Levará ainda na bagagem projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e de biocombustíveis.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffcasamentoLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.