Lula e Serra tomam vacina e falam do caso Isabella

O presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje estar preocupado com a pirotecnia que toma conta da investigação sobre a morte da menina Isabella. "São 24 horas por dia tocando no assunto". Para Lula, o grave é que, mesmo que o casal seja inocente, já está condenado. "É preciso tomar cuidado com essas coisas, porque são vidas que estão em jogo e vidas destruídas que dificilmente se recuperarão", disse o presidente, em entrevista coletiva na abertura da campanha de vacinação ao idoso contra gripe. Ainda assim, Lula disse que o crime é uma coisa bárbara e que o que todos querem é que a polícia descubra quem o praticou e que seja severamente punido. "A polícia de São Paulo tem inteligência suficiente para apurar isso com muita competência", finalizou.o governador de São Paulo, José Serra, também presente na abertura da campanha, elogiou o trabalho das polícias Civil e Científica nas investigações do caso. "Fizeram a parte delas e muito bem. Agora cabe ao Ministério Público e à Justiça examinar as provas recolhidas", disse VacinaSerra chegou às 10h45 à Unidade Básica de Saúde Santa Terezinha, em São Bernardo, acompanhado do secretário estadual de Saúde, Barradas Barata. Lula chegou dez minutos depois, acompanhado de dona Marisa e dos ministros José Gomes Temporão, da Saúde, e Luiz Marinho, da Previdência, pré-candidato do PT à prefeitura de São Bernardo.Lula ressaltou a importância da campanha e disse que toma a vacina contra a gripe há três anos e que nunca contraiu a doença nesse período. Serra destacou que, em São Paulo, os postos de saúde também aplicam as vacinas contra difteria, tétano e a pneumocócica, além de fazer exame de câncer de boca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.