Lula e Obama se reúnem para discutir estratégia contra crise

Expectativa é de que presidentes conversem sobre G20, protecionismo, diplomacia e etanol.

Camila Viegas-Lee, BBC

13 de março de 2009 | 13h45

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reúne neste sábado com o presidente americano, Barack Obama, em um encontro cercado pela expectativa de que os dois líderes busquem uma estratégia de consenso para enfrentar a atual crise na economia mundial.

De acordo com analistas ouvidos pela BBC Brasil, a visita de Lula a Obama pode resultar na definição de uma série de princípios e condutas defendidos por Brasil e Estados Unidos para a reunião do G20, que será realizada no próximo dia 2 de abril em Londres.

Na opinião do presidente do centro de estudos Inter-American Dialogue, Peter Hakim, os Estados Unidos estão interessados em estabelecer esses princípios. "Se o Brasil estiver de acordo com os Estados Unidos, outros países entrarão também", afirma Hakim.

A expectativa é de que o encontro do G20 - grupo que reúne países emergentes e as maiores potências econômicas do mundo - possa render acordos-chaves para combater a atual crise financeira.

Segundo

o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, além da reunião do

G20

e da crise financeira, a agenda do encontro entre

Lula e Obama também deve incluir temas como energia e etanol, protecionismo, a Rodada Doha

e a Cúpula das

Américas, que será realizada em Trinidad e Tobago no dia 17 de abril.

De acordo com Peter Hakim, a preocupação com o sistema financeiro internacional deve levantar o tema do protecionismo americano. O Brasil deve "convocar os Estados Unidos a evitar o protecionismo e a garantir que

seus mercados ficarão abertos e que não haverá restrição de capital", diz o analista.

duas semanas, Amorim se reuniu com a secretária de Estado americana,

Hilary Clinton, e disse que a melhor maneira de evitar o protecionismo é

seguir adiante com a Rodada Doha de liberalização do comércio.

O diretor do programa de Estudos Latino-Americanos da Universidade Johns Hopkins, Riordan Roett, afirma que "esta é uma boa

oportunidade de Obama abrir a discussão com Lula sobre o que poderia

acontecer se as negociações (da Rodada Doha) fossem reabertas logo."

Depois de uma reunião com

o primeiro-ministro britânico Gordon Brown, Obama declarou que preferiria comprar petróleo do Brasil do que da

Venezuela.

Roett diz que há um claro interesse em reduzir a dependência

de petróleo da Venezuela e da Arábia Saudita, "que corre o risco de ter

um novo governo radical no poder".

Segundo o brasilianista, as

novas descobertas de petróleo no Brasil e os investimentos da China

"fornecem um triângulo muito interessante para os americanos entre Estados Unidos, China e Brasil, e eles poderão se aproveitar dessa nova produção em cinco ou

seis anos".

Do outro lado está a questão do etanol. "Agora não há

muito o que Obama possa fazer sobre a tarifa do etanol brasileiro nos

Estados Unidos por causa da extensão da lei agrícola assinada no

ano passado. Mas Obama pode sinalizar diplomaticamente que tem

interesse no assunto", afirma Roett.

Para Peter Hakim, Lula deve levantar o tema e

dizer que, enquanto os Estados Unidos mantiverem o etanol brasileiro fora do

território americano, não haverá uma parceria real.

Na opinião de Riordan Roett, uma conversa entre Lula e Obama sobre a Cúpula das Américas também seria importante porque o encontro de Trinidad e Tobago "será a primeira vez que Obama vai interagir com presidentes como

Rafael Correa (Equador), Evo Morales (Bolívia) e Hugo Chávez

(Venezuela), e ele deve levar uma mensagem de cooperação para a

região".

Para Roett, "uma decisão sobre Cuba está diretamente relacionada à cúpula e como a Casa Branca pretende comunicar uma relação mais flexível do que a do governo Bush".

Segundo Hakim, Lula "provavelmente vai dizer a Obama para não confrontar a Venezuela e tentar encontrar caminhos para aliviar as tensões entre os dois países".

Na opinião do historiador Thomas Skidmore, Lula tem sido muito esperto em lidar com Chávez, Morales e outros líderes nacionalistas da região.

"Ele beija o Castro na bochecha e depois conversa com o Chávez", diz Skidmore. "Lula tem sido muito hábil em relações públicas, evitando ser classificado como anti-Chávez, o que os americanos adorariam fazer."

"Lula é uma ótima pessoa para aconselhar os americanos a serem mais sutis, menos defensivos, deixar as coisas tomarem seus cursos", acrescenta o brasilianista.

Lula será o terceiro chefe de Estado a visitar a Casa Branca desde a posse de Obama. O

presidente chega logo atrás do primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, e

do primeiro-ministro da Grã Bretanha, Gordon Brown. A visita marcada

para as 11h deve durar cerca de uma hora.

Depois de almoçar na casa do

embaixador Antonio de Aguiar Patriota, Lula embarca para Nova York, onde

participa de um painel para investidores na segunda-feira.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.