Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Presença de FHC em palanque virtual do Dia do Trabalho provoca crise na CUT

Grupo de dirigentes questiona participação do ex-presidente ao lado de Lula na comemoração organizada pelas centrais sindicais

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 13h10
Atualizado 23 de abril de 2020 | 18h34

A divulgação de notícias sobre a participação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao lado do sucessor Luiz Inácio Lula da Silva no 1º de maio virtual das centrais sindicais provocou uma crise na Central Única dos Trabalhadores (CUT), maior central sindical do Brasil, ligada ao PT.

Um grupo de dirigentes, que segundo fontes da CUT soma dois terços da executiva nacional da central, está pedindo uma reunião extraordinária para rever a participação da entidade no ato programado pelas demais centrais.  Eles alegam que alguns dos convidados, como FHC e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), são "inimigos históricos" da classe trabalhadora e, portanto, não poderiam participar da celebração pelo Dia do Trabalho. 

Se a posição deste grupo prevalecer, CUT e o PT ficarão isolados neste 1º de maio. A cúpula da central se reúne para tentar apagar o incêndio. As centrais divulgaram na quarta-feira, 22, que FHC e Lula vão dividir o palanque virtual montado pelas centrais sindicais em comemoração ao Dia do Trabalho. Segundo pessoas próximas a Lula, os dois não ocupam o mesmo espaço há mais de 30 anos, desde que o PSDB apoiou o petista no segundo turno da eleição presidencial de 1989.

¨Este é o terceiro ano que realizamos o 1o de maio unitário. Temos um acordo pela qual as lideranças são convidadas pelas centrais e não cabe veto. Só não pode convidar quem fale contra a democracia. A CUT acha muito importante Lula e (Fernando) Haddad participarem e respeita as indicações das outras centrais¨, disse o presidente da CUT, Sergio Nobre.

Com a impossibilidade de realizar um ato com a presença física das pessoas, devido à pandemia do coronavírus, as centrais optaram por celebrar o 1º de maio com uma transmissão ao vivo pela internet. O tom deve ser de críticas ao governo Jair Bolsonaro.

Outros desafetos de Bolsonaro, como o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) e os ex-presidenciáveis Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL) também foram convidados, mas até agora só os dois ex-presidentes confirmaram participação.

Artistas de peso como os cantores Chico Buarque - que confirmou uma fala -, Alceu Valença e Zélia Duncan também foram contatados pelos organizadores, mas ainda não responderam ao convite.

Sob o lema “Saúde, emprego, renda e democracia. Um novo mundo é possível com solidariedade”, o ato de 1º de maio vai reunir 11 centrais sindicais além das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, que congregam centenas de movimentos sociais e partidos políticos de oposição. Vários deles já decidiram empunhar a bandeira do "Fora Bolsonaro", mas, segundo os organizadores, pedir a saída do presidente não é o objetivo do ato.

“O tom vai ser de defesa da democracia e valorização da sociedade civil. Vai ter entidades e pessoas que vão pedir 'Fora Bolsonaro'. Isso não vai ser cerceado, mas não é consenso entre as centrais”, disse o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna.

De acordo com ele, o palanque virtual deve abrigar duras críticas a Bolsonaro tanto pela ausência de medidas eficazes de garantia de emprego e defesa da saúde das pessoas durante a crise do coronavírus quanto pela participação do presidente em ato que pedia o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF) e defendia medidas autoritárias como o AI-5, no último domingo.

“Na nossa opinião não temos um presidente real. Nossas propostas não passam pelo presidente mas pelo Congresso que está sendo atacado pelo presidente”, disse Juruna.

Em texto divulgado na segunda-feira, 20, as centrais dão o tom do que devem ser os discursos do 1º de Maio. “Condenamos veementemente a postura do governo federal que se coloca na contramão do mundo e da ciência recusando-se a enfrentar com seriedade a pandemia e a crise sanitária que dela advém e que ainda insiste em atacar e retirar direitos da classe trabalhadora. Ademais, as sistemáticas declarações e movimentações de Jair Bolsonaro favoráveis ao A-I5 e ao estado de exceção, com ataques às instituições do Estado e à Constituição, deixam claras as suas intenções de destruir a democracia, atitude que também merece nosso contundente repúdio”, diz o texto.

Assinam o documento os presidentes das 11 centrais sindicais, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central dos Sindicatos Brasileiros  (CSB), Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST), CONLUTAS, Intersindical, Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Intersindical Instrumento de Luta e Organização e Pública - Central dos Servidores Públicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.