Lula e Dilma pedem votos para o PT em Curitiba

O Partido dos Trabalhadores (PT) de Curitiba decidiu abrir a campanha eleitoral no rádio e na televisão com duas de suas estrelas nacionais. Na primeira inserção de 30 segundos, na manhã de hoje, coube ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentar a candidata à prefeitura, Gleisi Hoffmann. "É uma mulher de garra e muita sensibilidade", afirmou o presidente, que tem como ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, marido da candidata. No horário reservado aos candidatos a vereador pelo PT, na televisão, nenhum deles teve espaço. A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, fez o apelo para que os eleitores privilegiem os candidatos petistas. Foi seguido pelo diretor-geral da Itaipu Binacional, Jorge Samek. Entre personalidades conhecidas nacionalmente, a ex-senadora Heloísa Helena também ganhou um pequeno espaço no programa do PSOL, para pedir voto a candidatos "comprometidos com as lutas de nosso povo". Nas inserções de rádio e televisão, o candidato à reeleição, Beto Richa (PSDB), lembrou seu pai, o ex-governador José Richa, e garantiu que sua administração tem dado certo. "Por que não continuar?", questionou. Os candidatos a vereador de sua coligação utilizaram o horário eleitoral para se apresentarem aos eleitores. Ao fundo, o nome do candidato a prefeito. O PDT, que faz parte da mesma coligação, convocou o senador Osmar Dias para apresentar os candidatos à Câmara.O PMDB colocou os candidatos a vereador para exaltar qualidades do candidato a prefeito, Carlos Moreira Júnior, ex-reitor da Universidade Federal do Paraná, mas identificado na campanha como "reitor Moreira". Ao fundo, a frase: "Requião é Moreira". Nas inserções de rádio e televisão, o governador Roberto Requião disse que tem trabalhado em parceria com o governo federal com "resultados extraordinários" e pediu votos a Moreira para ampliá-la também à prefeitura. Os outros partidos começaram a apresentar alguns dos pretendentes à Câmara, que se preocuparam mais em fazer rimas com seus nomes ou números.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.