Lula é contra mais vagas de vereador

Em café da manhã com jornalistas, presidente também fala de sucessão e acha ?absurda? hipótese de voltar em 2014

João Domingos e Leonencio Nossa, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2008 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou ontem, durante café da manhã com jornalistas, no Palácio do Planalto, a decisão do Congresso de criar 7.343 novas vagas de vereadores no País. "O senhor acha que são necessários?", indagou um jornalista a Lula, que respondeu de imediato: "Não. Não são necessários. Não são 7,5 mil novos vereadores que vão resolver os problemas das cidades." Em seguida, lembrou que a decisão foi tomada pelo Legislativo e, a rigor, ele nem deveria comentar.Quanto a uma possível volta à Presidência em 2014, como pregam alguns setores do PT, rebateu: "Não trabalho com a hipótese absurda que alguns companheiros defendem. Dizem: ?Você sai e volta em 2014.? Juscelino Kubitschek achou que voltaria e não voltou." Para Lula, ex-presidente deve ficar quieto. "Não pode ficar dando palpites", afirmou, numa indireta ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que costuma criticar o seu governo. "Além do mais, ex-presidente sempre tem telhado de vidro." Ele disse que jamais disputará vaga no Senado e acabou atingindo o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), que até mudou do Maranhão para o Amapá para conseguir se eleger senador. "Acho que ex-presidente tem de ter a dimensão do cargo que exerceu. Não deve ficar disputando cargos." Lula afirmou que a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) é a mais gabaritada para a Presidência, mas garantiu que nunca conversou com ela sobre uma provável candidatura em 2010. "Quando tiver a conversa, tem de ser definitiva." A seguir, os principais trechos da entrevista concedida pelo presidente:SUCESSÃO E DILMA"Não falta é nome. Dizem que é um lugar espinhoso e duro, envelhece e deixa o cabelo branco, mas todo mundo quer. E quem está aqui não quer sair. É bom." CONVERSA COM MINISTRA"Isso (discutir a sucessão presidencial com a titular da Casa Civil) vai depender de como fazer para torná-la conhecida." ELEIÇÃO NO CONGRESSO "O ideal na política é que as regras do jogo sejam respeitadas. Quando não são, complica. O jogo é Michel Temer (PMDB-SP) na Câmara e Tião Viana (PT-AC) no Senado. Agora, a base lançou o Aldo Rebelo (PC do B-SP). É meu amigo, já foi presidente da Câmara. Todos sabem o que aconteceu quando não houve acordo e o deputado Severino Cavalcanti (PP-PE) foi eleito. Um presidente tem de ter o respeito e o respaldo dos comandados."CANDIDATURA DE GARIBALDI"Não acontecerá (a reeleição). Todos os juristas dizem que é ilegal, que não pode haver a candidatura."TODOS OS PACs DE LULA"Nós não iremos parar nenhuma obra do PAC e não fiquem surpresos se apresentarmos novas obras, um novo PAC. Vamos fazer muito mais. (...) Tivemos um problema com o PAC da Saúde. O Congresso extinguiu a CPMF e ficamos sem R$ 32 bilhões. Isso praticamente inviabilizou programas do setor. Hoje sou procurado por prefeitos, parlamentares do DEM, para que faça alguma coisa pela saúde. Eu não vou tomar a iniciativa. A base está orientada a fazer o que for necessário." NOSSA CAIXA"Comprei a Nossa Caixa porque não discrimino ninguém. Se tem gente do PT que acha que ajudei o José Serra, paciência. A compra da Nossa Caixa foi boa porque o Banco do Brasil havia perdido o primeiro lugar entre os bancos depois da fusão de Itaú e Unibanco. Além do mais, o Banco do Brasil não tinha grande penetração em São Paulo. Agora, vai poder emprestar mais lá também."ESPORTISTA RELAPSO "Parei de correr neste ano. Vou voltar a correr no ano que vem."SAPATADA"Eu não daria uma sapatada em ninguém. Acho que o caso da sapatada no presidente Bush foi igual à pergunta que a Soninha (Sônia Carneiro, que era repórter da Rádio JB) fez ao Collor: se ele tinha aids. Foi uma sapatada verbal."PETROBRÁS"A Petrobrás vai continuar seus investimentos. Quando fizemos os planos atuais, o barril do petróleo custava menos de US$ 30 e não US$ 100, US$ 150. Portanto, mesmo com a queda no preço do petróleo, ainda está acima do valor de quando nós fizemos o planejamento. Serão US$ 112 bilhões para investimentos."HELICÓPTERO"Em abril, eu vou andar 300 quilômetros de navio, até o Poço de Tupi, quando serão iniciados os trabalhos de exploração lá. Não vou de helicóptero de jeito nenhum. Até hoje não sei como esse negócio é capaz de voar. Morro de medo."FÉRIAS"Gostaria de ir para um lugar que tenha sol, agora em janeiro. Mas vou depender dos exames do Zé Alencar."PIB E MAROLINHA"O governo trabalha com a hipótese de crescer 4%. Se crescesse um pouco mais, 6%, como aconteceu no terceiro trimestre, seria mais gostoso", disse. "Não tenho arrependimento (de avaliar que a crise chegaria ao Brasil como uma marolinha). Quando fiz a avaliação, era setembro. Nosso crescimento naquele trimestre foi de 6,8%. Faria a mesma avaliação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.