Lula diz ser possível consolidar estabilidade do real

A estabilidade da moeda brasileira não impede a retomada do crescimento do País, afirmou o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva em discurso na solenidade de comemoração dos 30 anos da Embrapa. "Nós podemos consolidar a estabilidade e fazer o Brasil crescer para que todo pai de família possa dormir em paz", declarou. Lula lembrou que o País precisa voltar a ser planejado, pois não pode continuar esperando chegar ao primeiro mundo para que o povo tenha dignidade. Ele ressaltou também que é preciso enfrentar rapidamente as desigualdades sociais.O presidente disse esperar que o Brasil deixe de ser analisado como um País de risco no mercado financeiro internacional. Lula afirmou que há quatro meses críticos avaliavam aumento da inflação, do risco Brasil e do dólar, que chegaria a R$ 5. "O que estamos vendo? Estamos vendo companheiros nossos, especialmente do setor de exportação, esperarem que o dólar não caia tanto. O risco Brasil, que chegou a 2.400 pontos, hoje está em 800 pontos e chegará a 600 pontos. Daqui a pouco este País não terá nenhuma razão para ser analisado como um país de risco", disse.Acesso a mercados da Europa e EUAO presidente afirmou que não adianta a Europa solicitar que o Brasil abra seu mercado para os europeus se os produtos brasileiros não têm acesso ao mercado destes países. Ele afirmou que a discussão sobre a Área de Livre Comércio (Alca) é inviável se os EUA aprovarem salvaguardas a seus produtos. "E aí, nós vamos competir de que jeito?", questionou Lula. O presidente ressaltou que, durante seu governo, quem quiser negociar com o Brasil vai saber onde o País quer chegar e que sabe a maneira para atingir esses objetivos.Ele lembrou que tem pouco tempo para realizar todos os seus projetos, mas que esse tempo é suficiente para sua consciência e a do povo brasileiro. "O País poderia ter sido muito melhor para seus filhos do que foi até hoje", ressaltou.?Equipe de governo extraordinária?Lula afirmou que é abençoado por Deus porque conseguiu montar uma equipe de governo extraordinária formada por pessoas que conhecem profundamente a área pela qual são responsáveis e que fazem sacrifícios para alcançar os objetivos do governo. Ele afirmou que, às vezes, não entende como uma pessoa aceita ocupar um cargo de ministro e receber um salário baixo. Ele citou o exemplo do secretario executivo do ministério da Agricultura, José Amaury Dimarzio, que depois de muitos anos de trabalho na iniciativa privada foi convencido pelo ministro Roberto Rodrigues a trabalhar no governo. Lula afirmou que o Brasil passa por uma grave crise que é a da desagregação da estrutura social. "Com as notícias ruins, as pessoas acham que não vale mais a pena. Precisamos recuperar a auto-estima do povo brasileiro. As pessoas precisam levantar mais otimistas do que quando foram se deitar", afirmou. O presidente disse ainda que quando o povo quer algo e se une, as coisas acabam acontecendo. Por isso, o País precisa dar uma chance a si mesmo. Lula destacou que a agricultura brasileira é a demonstração mais viva de que o País pode crescer e que se pode ter um Produto Interno Brasileiro (PIB) maior. "A partir do suor de cada um dos 175 milhões de brasileiros". Ele lembrou também que é importante fazer as pessoas gostarem do País e fazê-las não pensar somente em suas fábricas e em suas fazendas, mas também no País. Segundo Lula, o Brasil nunca teve a credibilidade externa que teve agora.

Agencia Estado,

29 de abril de 2003 | 13h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.