Lula diz que tem ´até 31 de dezembro´ para definir ministérios

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a afirmar, na tarde desta quinta-feira, que ainda não definiu nomes para o seu Ministério, no segundo mandato. "Tenho até 31 de dezembro", afirmou, referindo-se ao prazo de escolha. Questionado sobre o andamento das articulações políticas, Lula disse que mais reuniões do que ele está fazendo, é impossível. O presidente deu uma rápida entrevista ao chegar ao Palácio do Itamaraty, onde participou de almoço com o presidente do Peru, Alan Garcia, e sua comitiva.EncontroEm sua primeira visita oficial ao Brasil, Garcia instigou o Lula da Silva a assumir a liderança no processo de integração da América do Sul. "Tome o senhor a bandeira da integração sul-americana e os o respaldaremos", declarou Garcia, diante do presidente brasileiro, ao final da cerimônia de assinatura de 11 memorandos de cooperação entre os dois países.A manifestação de Garcia em favor da liderança do Brasil na América do Sul deixa clara a tentativa de abafar os movimentos da Venezuela nessa mesma direção. Durante a campanha eleitoral peruana este ano, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez interferiu a favor do opositor de Garcia, Ollanta Humala, e chegou a acusar o vencedor da disputa de ser um assassino de pobres.Amigo do pleitoLula, durante o encontro, festejou sua própria reeleição e a eleição do colega Garcia, também neste ano. Ambos terão quatro anos de mandato pela frente. "Podemos aprender com nossos erros para corrigir e acertar mais, porque o povo nos deu uma chance", afirmou Lula. Em relação a cooperação bilateral, Lula disse que o projeto de construção da rodovia interoceânica será "o cordão umbilical" da própria integração sul-americana. Lula também mostrou otimismo com relação à extensão da integração para toda a América Latina e mais uma vez mencionou que não existe saída individual para nenhum país da américa do Sul. Ele lembrou que quase todos os países são pobres e têm muito mais a ganhar unidos, no mundo globalizado, do que individualmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.