Lula diz que superou expectativa de quem desacreditava de sua capacidade

Presidente afirmou que não fez tudo o que precisava ser feito, mas ressaltou ter feito mais do que muita gente imaginava que ele poderia fazer

19 de novembro de 2010 | 15h58

RIO DE JANEIRO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira, 19, que deixará a Presidência da República com a consciência tranquila. Na cerimônia de batismo do navio petroleiro Sérgio Buarque de Holanda, da Petrobrás, o presidente afirmou que não fez tudo o que precisava ser feito, mas ressaltou ter feito mais do que muita gente imaginava que ele poderia fazer.

 

"Certamente tem muita gente que passou pela Presidência que, hoje, fica se perguntando: 'como é que um peão conseguiu fazer mais do que eu? Como é que um peão conseguiu fazer muito mais'?", disse Lula.

 

Na solenidade, Lula também disse que, "nunca, um presidente" vestiu tanto a camisa da Petrobrás quanto ele. "Não sei se fui eu que ajudei a Petrobrás ou se foi ela que me ajudou."

 

Para ele, o Brasil só será uma grande nação quando os governantes não forem subordinados "intelectualmente e politicamente a outros interesses". Ao falar sobre política externa, Lula disse que o país nunca "falou fino com ninguém" e criticou governos anteriores que, segundo ele, "falavam grosso" com nações como a Bolívia e o Paraguai, mas baixavam a cabeça para os Estados Unidos.

 

Lula também comemorou a geração de 2,5 milhões de empregos no país de janeiro a outubro deste ano. "Enquanto os Estados Unidos tiveram 60 mil empregos a menos, nós conseguimos criar 2,5 milhões de empregos no Brasil."

 

O presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli, disse, na cerimônia, que a indústria naval brasileira se fortalecerá ainda mais nos próximos anos, por causa das novas descobertas do petróleo na camada pré-sal. Segundo ele, daqui para a frente será necessário construir de quatro a seis plataformas por ano, no país.

 

Fonte: Agência Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
Lulasuperaçãogovernopetroleiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.