Lula diz que se aliados quiserem podem romper com PT

Com intuito de conter rebeliões da base aliada que possam prejudicar o projeto da reeleição de Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez ontem a mais contundente declaração aos partidos da coalizão, interpretada como um recado direto ao governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos: "Se alguém quiser romper conosco, que rompa".

EQUIPE AE, Agência Estado

02 de março de 2013 | 08h13

Lula fez a afirmação numa reunião fechada do Diretório Nacional do PT, em Fortaleza. "Não queremos romper com ninguém. Queremos fortalecer, só que não podemos impedir as pessoas de fazer o que é de interesse dos partidos políticos. O ideal é que a gente consolide as forças políticas que estão ajudando esse país a mudar", acrescentou. Campos estuda a possibilidade de se lançar candidato à Presidência, mas não quer antecipar a decisão para 2013 e já avisou que permanecerá na base ao longo deste ano. O PSB detém dois ministérios no governo Dilma (Integração Nacional e Portos) e não pretende entregar os cargos.

Após a reunião do PT, em rápida conversa com jornalistas, Lula elogiou Campos, de quem disse ser "muito, muito amigo". "(O governador) tem uma personalidade que pode desejar qualquer coisa que ele queira nesse País". Mas, em seguida, afirmou ser preciso avaliar "se estrategicamente PT e PSB devem colocar em risco uma aliança que tem dado tão certo nesse País".

O petista, contudo, disse defender a "liberdade incondicional de cada partido de fazer o que bem entenda" e declarou que não impediria qualquer aliado de se candidatar. "Teimei muitas vezes, perdi muitas vezes até chegar à Presidência da República. Portanto, eu jamais tomaria qualquer atitude para impedir que um companheiro fosse candidato a presidente."

Em Pernambuco, Eduardo Campos criticou o PT por ter antecipado a campanha presidencial (leia abaixo). Lula lançou Dilma à reeleição na festa de 33 anos do PT, comemorada no dia 20 de fevereiro. Desde então, o ex-presidente tem enaltecido os partidos que integram a base aliada e reafirmado a tese de que o "êxito" dos governos petistas se deve ao amplo leque de alianças que ele construiu. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
PTLulaaliadosEduardo Campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.