Lula diz que quer seguir na política sem ser candidato

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje, em Caucaia, na região metropolitana de Fortaleza, que pretende continuar contribuindo na política sem precisar ser candidato. Ao comentar uma pesquisa feita em Pernambuco sobre o alto índice de aceitação de seu governo, Lula afirmou ter mais de 95% de bom e ótimo e disse que, com tamanho desempenho, "só um doido" é que poderia querer voltar para a Presidência da República.

CARMEN POMPEU, Agência Estado

29 Dezembro 2010 | 19h10

"Só um doido é que poderia querer voltar, porque essa performance Deus não dá de presente duas vezes para uma pessoa não. É um para cada um, meu filho", afirmou. "Eu agora tenho que trabalhar para a Dilma ter a mesma sorte que eu tive, de ter a mesma relação com o povo que eu tive. E eu sei que ela é uma mulher guerreira, que ela tem disposição", disse.

O presidente reafirmou a decisão de querer descansar e passar para frente aquilo que aprendeu no exercício do cargo. "Tem muitas coisas boas que aconteceram neste País que eu quero socializar com a África e com a América Latina. E eu quero viajar muito pelo Brasil ainda. Sou um retirante nordestino que sei de onde eu saí, sei para onde vou voltar, sei como vive esse povo. E eu vou continuar contribuindo na política sem precisar ser candidato."

Lula condenou a antecipação do debate eleitoral e disse que a presidente eleita, Dilma Rousseff, pegou o país a 120 quilômetros por hora e que ela vai pisar ainda mais no acelerador. "Para que ficar discutindo 2014, 2018, 2050? Vamos discutir 2011. O que interessa é discutir 2011. A Dilminha vai pegar esse País a 120 por hora. Ela parece que gosta de corrida", afirmou.

"(Dilma) Vai apertar um pouquinho o acelerador e nós vamos correr mais rápido, gerar mais emprego, mais renda. Eu acho que o Brasil precisa deixar para discutir eleições quando tiver nas eleições. Só quem tem interesse de discutir eleição agora são meus adversários. Eles estão doidinhos para discutir eleição. Nós não queremos. A Dilma foi eleita para governar, não para discutir eleição."

E numa indireta ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, afirmou: "Eu deixei a Presidência para me calar e não para ficar discutindo eleição. Eu disse para você que quero ensinar como um ex-presidente tem que se comportar. E vou dar mais essa lição aos palpiteiros, que quando foram governo não fizeram e depois que ficaram de fora acham que sabem muitas coisas", concluiu.

Mais conteúdo sobre:
política despedida Lula eleição candidatura

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.